Caçadores matam os últimos 15 rinocerontes de Moçambique

Diálogos Políticos

Os rinocerontes estão oficialmente extintos do território de Moçambique, na África. Os últimos 15 animais que viviam no Parque Great Limpopo, que fica na fronteira com a África do Sul e o Zimbábue, foram encontrados mortos no mês passado – em 2002, a área de conservação ambiental tinha uma população de 300 rinocerontes.

Autoridades ambientais acusam os próprios guardas florestais da reserva de colaborar com os caçadores na busca pelos animais que eles deveriam proteger. Segundo os administradores do  Great Limpopo, 30 guardas já estão sendo investigados por corrupção e poderão responder judicialmente pelo crime.

Os caçadores promovem a matança por conta dos valiosos chifres dos rinocerontes, que valem mais que ouro no mercado negro. É que o osso é usado na medicina de países asiáticos, como China e Vietnã, por ter grandes efeitos de cura.

A busca sangrenta pelos chifres já causou, segundo levantamento de organizações não-governamentais, a morte…

Ver o post original 21 mais palavras

Homem gay enfreta pastor homofóbico e é aplaudido no metrô; assista

Entre Nós

1366834657305-falso-profeta

 

Quem nunca se deparou com alguém pregando ideais religiosos em pleno transporte público, né?!

Pois bem, um pastor resolveu entrar em um vagão de metro em Nova York para dizer que ser gay é errado. O que ele não esperava era encontrar um homem gay no caminho, que não topou ouvir aquelas besteiras contra a homossexualidade calado!

Sem revidar com ofensas, mas com educação e civilidade, ele chamou o pastor de “falso profeta” que “ensina o ódio” e é “cheio de medo”! A atitude do rapaz foi aplaudida pelos outros passageiros do metro.

Confira trecho da conversa…

Pastor: “Vocês vêem o que estou dizendo? Você não pode aceitar dois homens juntos. E eles não tem seios, têm pênis. Dois homens tem pênis”

Rapaz: “Eu sou um homem. Eu sou um homem bom. E gay. E Jesus me ama”

Pastor: “Homem gay não. Você é um viadinho”

Ver o post original 13 mais palavras

Hace más de 40 años

UDUAL Press

¿Quién recuerda a Daniel Cohn-Bendit? En la plaza de la Sorbona, en Francia, en mayo de 1968, estuvo entre el grupo de estudiantes que discutieron propuestas del gobierno con las que no estaban de acuerdo. A las cuatro de la tarde, la universidad fue rodeada por la policía que detuvo, en contra de lo pactado, a varios estudiantes. Esto originó numerosas manifestaciones espontáneas. Así comenzó el Mayo del 68. Cohn-Bendit, en ese entonces, afirmó que “las mujeres se enfrentaron al machismo de los hombres de izquierda porque el eje fundamental que articuló aquellos acontecimientos fue la reivindicación de la autonomía en la vida de cada uno”.

Para Alicia Puleo, doctora en filosofía y profesora del área de Filosofía Moral y Política, “la ausencia de la voz de aquellas mujeres que se plantearon la emancipación de la que todas somos herederas, es una prueba más de que todavía hay mucho que…

Ver o post original 471 mais palavras