DECLARAÇÕES DE MUJICA

Mujica compara mercado ilegal de maconha com prática de abortos clandestinos

by luizmullerpt

Ao falar sobre o projeto de lei para legalizar o consumo e a venda de maconha cedendo o controle ao Estado, o presidente do Uruguai, José Mujica, comparou a situação do mercado ilegal de cannabis com a prática de abortos clandestinos. O Parlamento uruguaio descriminalizou a interrupção da gravidez até a 12ª semana de gestação, por meio do cumprimento de procedimentos regulados pelo Estado.

Para o presidente Uruguaio,  a hipótese de regular o mercado de maconha é  uma tentativa para arrebatar os narcotraficantes e tratar os consumidores problemáticos. “Se permanecem clandestinos ou escondidos não se pode fazer nada por eles”, afirmou à imprensa.

A legalização “tira o problema da sombra e nos permite tentar influenciar” para que a mulher “volte atrás em sua decisão”, argumentou Mujica. “A ideia primária é tratar de ajudá-la e eventualmente convencê-la a evitar o aborto, porque muitas vezes há um problema de falta de meios, solidão, falta de informação ou prejuízos familiares” acrescentou o mandatário, que considera que a legalização do aborto permite salvar vidas.

Mujica considera que o narcotráfico é “mais problemático” que o consumo dessa e de outras drogas, porque “tende a multiplicar” o grau de violência na sociedade, “uma enfermidade que corrói por baixo” na definição de Mujica. “Nunca fumei maconha porque sou de outra época e não defendo nenhuma adicção”, afirmou.

Com informações da EBC

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.