As razões, que a própria razão desconhecia, do ódio a Lula e Dilma

Ficha Corrida

OMBUDSMAN

SUZANA SINGER facebook.com/folha.ombudsman

Desequilíbrio

Folha elimina 24 vagas e fecha ‘Equilíbrio’, de olho num futuro de "Redação enxuta e jornal menor"

A Folha enterrou o caderno "Equilíbrio", concebido há 13 anos com a promessa de ajudar o leitor a viver com "menos estresse".

O que era um tabloide semanal de oito páginas sobre saúde e comportamento, com seis colunistas, vira um arremedo do que foi, agora publicado como uma página em "Cotidiano", nos mesmos moldes do "Folhateen" na "Ilustrada".

O fim do suplemento foi anunciado num corte que incluiu o fechamento de 24 vagas na Redação (6% do total) e o desligamento da colunista Danuza Leão. É a segunda leva de demissões em um ano e acontece na sequência das feitas pelo "Estado de S. Paulo" e pelo "Valor" –a Editora Abril começou sua "reestruturação" na sexta-feira passada.

Parece que os jornalistas brasileiros estão vivendo o pesadelo que os…

Ver o post original 489 mais palavras

El creador de Internet advierte que algunas fuerzas “tratan de controlar” la Red

Colarebo

El inventor de Internet, Tim Berners-Lee, aseguró que la red global se enfrenta a una amenaza por parte de “personas que quieren controlarla de incógnito” a través de “leyes preocupantes” como la SOPA y la ley antipiratería de EE.UU.

Ver o post original 205 mais palavras

“Todo dia é dia de estupro” – violência sexual e contaminação com HIV como armas no Congo

Alexandre Melo Franco de M. Bahia

 

 

A história de Marie Nzoli: do coração das trevas a um hotel de luxo em São Paulo. De onde ela vem, o estupro é um instrumento de guerra. E as mulheres contaminadas pelo HIV são armas biológicas

mulheres congo estupro

Nos quatro dias em que permaneceu na capital paulista, Marie repetia: “Como o Brasil é rico, como as casas são bonitas, como a população vive bem aqui!”

Por Eliane Brum

“Por que a água é azul?”, pergunta Marie Nzoli, apontando para a piscina. Em um mundo com infernos demais, ela acabara de chegar do pior deles. Pela primeira vez em 48 anos de vida, deixara a República Democrática do Congo e, depois de uma saga de três dias, desembarcara no Gran Hyatt, um luxuoso hotel de São Paulo, com vista para a Ponte Estaiada. Na mala, trazia lençóis.Como nunca havia pegado um avião, ela pensava que seria necessário forrar a…

Ver o post original 2.373 mais palavras