QUE PENA, MOVIMENTO PASSE LIVRE.

Que pena, Movimento Passe Livre. Vale a pena trocar consciência política pelos 15 minutos de fama na TV?

 
Há sempre o lado bom ao ver a juventude engajada em causas públicas e participando politicamente. Parafraseando a presidenta Dilma, é melhor o barulho das manifestações pacíficas do que o silêncio da alienação politica.

O problema é quando os manifestantes, depois da nação brasileira conquistar total liberdade para fazer manifestações pacíficas, escolhem como método o confronto violento, que espanta justamente a população mais oprimida, em vez de atraí-la para maior participação política.

É o que aconteceu em manifestações contra o aumento das passagens de ônibus convocadas pelo Movimento Passe Live (MPL). Se você não está por dentro do assunto, há uma boa reportagem na Rede Brasil Atual).

Tiro no pé

Fala sério! Já chega os ataques do PCC, né gente? O cidadão que anda de ônibus fica apavorado com “vanguardistas”, que dizem defender seus interesses, mas depredam e ameaçam incendiar ônibus, carros e agem como chamariz para o confronto com a polícia. Não existe manifestação mais auto-destrutiva, indo contra os objetivos que prega.

Esse método de barbarizar não passa de trocar a dura luta de desenvolver consciência política coletiva, palmo a palmo, pelo marketing fácil, oportunista e reacionário de ganhar visibilidade instantânea no Jornal Nacional e na imprensa estrangeira provocando o conflito de propósito. Ganha seus 15 minutos de fama, no estilo “falem mal, mas falem de mim”, porém espanta o próprio público alvo da mensagem, os cidadãos que andam de ônibus e não querem nem ouvir falar em violência, coisa que ele quer afastar de seu cotidiano.

Para um estudante universitário bem de vida, pode dar adrenalina depredar e provocar o confronto com policiais. Aquele sentimento romântico de sentir-se rebelde, revolucionário, parecer que está fazendo a diferença e lutando por uma causa. Aquela coisa da “primeira bomba de gás lacrimogênico” ou da “primeira prisão a gente nunca esquece” (isso para quem pode se dar ao luxo, inclusive de ter dinheiro para pagar fiança ou advogado). Mas sem combinar com o povo, essa adrenalina vira hedonismo político, que mais serve à satisfação pessoal, semelhante à adrenalina de praticar um esporte radical, do que às transformações sociais.

Não estamos vivendo tempos de resistência à ditaduras, nem de guerras de libertação nacional, que justificaria recorrer à brigas de ruas como método. Pelo contrário, o momento atual é de vencer a violência e insegurança que atormenta o cotidiano, sobretudo dos mais pobres. A luta política de hoje pede o uso das ferramentas de construção e difusão do conhecimento político, que por natureza são pacíficas, e não da força bruta. Hoje todo mundo pode panfletar e soltar a voz à vontade nas ruas e na internet, uma poderosa ferramenta que não existia antes.

É duro fazer trabalho de formiguinha, madrugar nas portas de fábrica, panfletar nos trens, ônibus e metrôs, ser povo e estar onde onde o povo está; fazer plenárias nas periferias, conversar, debater, socializar a informação e os debates nas redes sociais; fazer manifestações pacíficas (coisa que não atrai os holofotes do Jornal Nacional). É duro construir movimentos organizados sólidos, com capacidade transformadora. Mas é o que cria consciência política de verdade, amplia horizontes, visão de mundo e faz as transformações sociais acontecerem.

É pena, porque se tivessem focado no conteúdo de suas propostas, em vez de focar na forma violenta de manifestar, o debate estaria sendo outro.

DIRETO DO FACEBOOK…

Rio de Janeiro hoje:
Post do amigo Fernando Mattos:
Repórter da CBN chorou ao vivo, chamou de massacre, pediu socorro, disse que só um lado atacava. Estamos voltando a tempos sombrios de nossa história?
Post do amigo André Luiz Alencar Silva:
Um grupo de manifestantes foi impedido de sair da estação de metrô de São Cristóvão pela tropa de choque da Polícia Militar. Eles se dirigiam ao Maracanã.
É a Constituição sendo jogada no lixo mais uma vez.

Curtir ·  · Compartilhar · há 14 horas · 

  •  
    43 pessoas curtiram isso.
  •  
    Ana Helena Tavares Claro que não é só pelos vinte centavos. Como definiu um amigo: “O Protesto de amanhã É CONTRA A PROMISCUIDADE ENTRE EMPRESÁRIOS E POLÍTICOS, É CONTRA A ORGIA DE GASTOS NA COPA DO MUNDO, É CONTRA O BACANAL COM O DINHEIRO PÚBLICO. É CONTRA A MULHER DO G…Ver mais
  •  
    Dadinha Piedade Peixoto Eu só acho que todas essas razões, validíssimas cada uma delas, NESSE momento servem à direita e ao seu discurso de marcha à ré! Que deve estar adorando ver petistas ou gente que se diz petista baixando o malho na COPA que vai vir mesmo, ( malhar prá que; agora INÊS é morta!!!) Então vejo esses cansei da vida( que finalmente sairam das sombras) dar certo e não posso apoiar! Não mesmo!
  •  
    Maria Lúcia OL Costa A que ponto chegamos.Policiais massacrando pessoas que apenas expressam uma revolta acumulada.E quem bate também deveria estar na marcha,mas não pode fazê-lo por por ser subordinado.
  •  
    Carlos Norberto Osilieri Eu estava lá no Maracanã, foi tudo orquestrado, só que desta vez eles se deram mal e o povo aplaudiu os policiais.

JUCA KFOURI AGORA PATRULHA ATÉ PRESIDENTES

JUCA KFOURI AGORA PATRULHA ATÉ PRESIDENTES

:

 

Colunista da Folha demonstra falta de fair play e inconformismo com os encontros de Dilma, Lula e FHC com o comando da CBF

 

17 DE JUNHO DE 2013 ÀS 08:09

 

247 – O colunista Juca Kfouri, da Folha, é hoje o chefe da patrulha oficial da imprensa esportiva brasileira. Adversário histórico do comando do futebol nacional, ele tenta intimidar governantes a evitar encontros institucionais com o comando da Confederação Brasileira de Futebol, em plena Copa das Confederações. Kfouri já havia censurado o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (leia aqui) e hoje fez o mesmo com a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula.

Leia abaixo trecho de sua coluna:

DEPRIMENTE

Que José Maria Marin, instruído por brilhantes gestores de crise, tem forçado encontros constrangedores é sabido. Mas nada explica que quem não queira apareça sorridente a seu lado como fizeram FHC, Lula e a presidente Dilma Rousseff. Francamente, que papelões!

Decerto, Kfouri gostaria que, em plena preparação para a Copa do Mundo de 2014, a presidente Dilma se deixasse levar por uma guerra política que não lhe pertence, colocando em risco o sucesso do evento que o Brasil organiza.

Nos encontros com a cúpula da CBF, FHC, Lula e Dilma demonstraram maturidade. A Juca, tem faltado fair play.

 

 

 

 

 

 

COMENTÁRIOS

1 comentários em “Juca Kfouri agora patrulha até presidentes”

  1. eleitor o brasil foi livre dos militares poe Lula e Dilma não vamos deichar eles voltarem. 17.06.2013 às 08:59

    Eleitor vamos deletar estes bandidos que mostra pro mundo que o Brasil só tem bandidos.ELES NÃO SECONFORMAM COMO SUCESSO DE DILMA E LULA, DAI FAZEM BADERNAS AQUI PRA FAZER FOTOS DE BANDIDOS QUEBRAMDO EQUIMANDO PRA MOSTRAR LÁ FORA,VAMOS DELETAR ESTES FILHAS DA PUTA QUE EQUER O BRASIL COLONIA DOS EUA.ELES QUEREM QUEBRAR O Brasil pra vender barato .a ANA MARIA ACABOU DE MOSTRAR ABERTUDA DA COPA UM ESPETÁCULO,QUE O OS VERMES OS SARNENTO E ELEPROSOS DO PSDB NÃO SE CONFORMANDO COM O ESPETÁCULO VAIOU,CADA UM DÁ O QUE TÉM,COMO SÃO MERDAS E O QUE PODEM MOSTRAR. falta de educação o minimo.LEVOU PITO DO PRESIDENTE DA ABERTURA.PELAFALTA DE EDUCAÇÃO.QUEM TÉ EDUCAÇÃO QUANDO NÃO OGSTA NÃOCOMPARECE.ISTO ÉCOISA DEBANDIDOS. MESMOS.

DO FACEBOOK…

Espero que essa não desapareça pq hj ta osso!!!
De Ronaldo Sanches Trovão 🙂
“Parabéns aos Tucanos que se renderam ao Petismo.
FHC investe seu dinheiro conseguido com o suor de seu trabalho, na economia brasileira que passa por crise nunca dantes vista no Brasil.
E o Nobre Senador Alvaro Dias, vai prestigiar a inauguração do ” Modesto” estádio Mané Garrincha e tira foto com o filho mostrando o orgulho de estar presente diante da primeira Presidenta do Brasil.”

PESCADO NO FACEBOOK…

via Ana Paula Perciano
Meu amigo Batur Tarhan tem postado sobre os protesto da Turquia. 
Sabem porque os turcos tem o meu apoio?
Porque eles lutam contra as privatizações dos lugares públicos para darem lugar a grandes empreendimentos do modelo neoliberal e contra um governo teocrata autoritário.
Agora, sabem porque os integrantes do MPL não tem o meu apoio?
Porque o manifesto deles é uma insanidade, fechar congresso nacional é coisa da ultra-direita. E mais, porque com esse tipo de comportamento voltaremos a um regime militar. Eles não estão prontos para uma luta armada e fazem essa merda de manifesto.
Se vier o golpe militar por causa desses playboyzinhos disfarçados de socialistas, eu sou bastante corajosa para enfrentar os militares. Eles não!
Então é uma questão de coerência e não como muitos estão dizendo por aí para o Brasil quero uma coisa e para os turcos outra.
Esse povo não notou que minha luta é contra os neoliberais, não contra a democracia.”

DILMA É VAIADA PELOS MIAMIPLAYBOYS DE BRASÍLIA

DILMA É VAIADA PELOS MIAMIPLAYBOYS DE BRASÍLIA

Davis Sena Filho
DAVIS SENA FILHO17 DE JUNHO DE 2013 ÀS 06:46

A verdade é que vaia de playboy não vale. Conheço muito bem os miamiplayboys de Brasília, que nunca passaram trabalho na vida, bem como conheço os do Rio de Janeiro e de muitas outras capitais e estados brasileiros

 

Os barões da imprensa de mercado sabem e os jornalistas que formulam as suas manchetes e opinam em seus espaços compreendem muito bem, apesar da proposital manipulação e dissimulação, o que aconteceu, de fato, no belíssimo e magnífico Estádio Nacional de Brasília, quando o presidente da Fifa, Joseph Blatter, foi anunciado pelos alto-falantes para dar início à cerimônia de abertura dos jogos da Copa das Confederações e foi vaiado, por um público em festa, e, portanto, irreverente e açodadamente mal-educado.
 
Enquanto vaiado, Blatter reclamou e pediu “fair play” à torcida, que, evidentemente, não o atendeu, bem como não representa a maioria do povo brasileiro, até porque as quase 70 mil pessoas presentes ao estádio pagaram pelos ingressos, em média, R$ 280,00, sendo que os assentos mais caros foram vendidos por R$ 800,00. Preços, como se percebe, altamente “salgados”.
 
Além do mais, cerca de dez mil torcedores foram agraciados com entradas gratuitas concedidas pelos patrocinadores do evento esportivo, que adquiriram os ingressos junto à Fifa, o que significa que a maioria do público do jogo Brasil e Japão era composta por pessoas da classe média tradicional e da classe média alta, sendo que muitos deles convidados VIP e acostumados a viver nas altas rodas sociais.
 
O que se esperar de uma torcida com esse perfil, que admira o Brasil em jogos de futebol, veste a camisa amarela, canta o hino com a mão no peito, pinta o rosto com as cores amarela e verde ao tempo em que, no seu dia a dia, ou seja, na sua rotina detesta o Brasil, despreza o povo pobre, trata mal seus empregados e os cidadãos mais humildes, pois considerados por essa gente sub-raças, mestiços e que insistem em não ficar “no seu lugar”.
 
Quero dizer com isso, obviamente, que a torcida que esteve presente no espetacular Estádio Nacional de Brasília não reflete o povo brasileiro, que aprova o Governo Dilma Rousseff e que não participou do rega-bofe destinado, naquele momento, a uma torcida conservadora, reacionária, branca, e que, seguramente, foi contrária à Copa do Mundo no Brasil e à construção dos estádios.
 
A presidenta trabalhista Dilma Rousseff ou o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, deveriam ter combinado com o governador petista Agnelo Queiroz e seus secretários, com a participação dos promotores do evento de futebol, a viabilização de conceder ingressos ou vendê-los a preços populares à população mais pobre, porque o que percebi é que o público que se divertiu no Estádio Nacional de Brasília era majoritariamente branco, bem nutrido e disposto a vaiar os responsáveis por trazer eventos grandiosos, lucrativos, midiáticos e que, sem sombra de dúvida, colocam o Brasil em um patamar igual aos dos países considerados desenvolvidos.
 
Não se pode esperar nada de uma classe média branca, titular de bons empregos e salários e que tem em sua memória genética a escravidão e tudo o que é desumano que deriva dela. Esperar uma atitude assertiva e de compreensão das mudanças que estão a acontecer no Brasil nos últimos 11 anos, por parte de tal classe, é como acreditar que algum dia a imprensa corporativa e seus áulicos vão deixar o País crescer em paz. Um país que busca conquistar sua total independência, por intermédio de projetos e ações de um governo trabalhista que tirou o País da estagnação econômica, do desemprego e livrou o povo brasileiro de seu incômodo complexo de vira-lata. Uma verdadeira revolução silenciosa, a respeitar o estado democrático de direito.
 
Temos uma classe média que em pleno século XXI, diferentemente dos povos dos países considerados desenvolvidos, que ainda tem em suas casas empregadas domésticas tratadas como “animais” de estimação, como observei no Norte, no Nordeste e no Centro-Oeste, sendo que no Sul e no Sudeste o maltratar é disfarçado, porque a fiscalização do estado é presente, bem como os empregados têm mais consciência de seus direitos trabalhistas, talvez por morarem em regiões mais desenvolvidas.
 
A vaia foi dada por uma classe média reacionária, que habita os melhores lugares de Brasília, a exemplo do Plano Piloto. Lagos Sul e Norte, Águas Claras, Taguatinga e condomínios privados, que existem às centenas ou, quiçá, aos milhares. A classe média de Brasília, para quem não sabe, é uma das mais privilegiadas do Brasil, ocupa cargos bem remunerados na iniciativa privada e no setor público, por intermédio de concurso, além de ser titular de cargos de relevância, com salários altos, bem como tem o poder de deliberar, conforme o cargo que ocupa.
 
Eis que esta classe, consumidora de revistas como a Veja e a Época, de jornais como o Estadão, a Folha e O Globo e telespectadora de jornais televisivos, como os da Globo News, além de evidentemente do Jornal Nacional, resolve vaiar a mandatária que trabalhou pela realização da Copa e que, juntamente com o ex-presidente Lula, é responsável pelo Brasil ser respeitado no mundo como nunca foi, além de o País experimentar um ciclo econômico virtuoso, que está classe média despolitizada, rancorosa e preconceituosa nunca vivenciou em toda a sua existência.
 
Por seu turno, tal classe recalcitrante no que tange a ser negativa, sempre foi beneficiada pelos governos trabalhistas, no que concerne à sua vida melhorar, pois teve facilitado o seu acesso ao consumo, aos empréstimos bancários, à compra de carros, de casas e apartamentos, bem como passou a viajar mais e a comprar como nunca comprou produtos de informática, eletroeletrônicos, da linha branca, além de ter o acesso facilitado para comprar automóveis e viajar de avião e navio, a trabalho ou simplesmente a fazer turismo.
 
E sabe por que a classe média, inquestionavelmente, melhorou de vida? Porque o Brasil vive uma época de pleno emprego e as classes média tradicional e alta estão também empregadas, como nunca estiveram, porque no tempo do ex-presidente que vendeu o Brasil, Fernando Henrique Cardoso, o Neoliberal I, essa classe reacionária e que acha que o mundo se resume a Miami e Orlando, ficava à mercê da boa vontade do governo tucano, que no máximo lhe doava migalhas, no que diz respeito ao seu desenvolvimento social, à sua autoestima e até mesmo ao seu direito de estudar. Era uma dura lida, só para dar um único exemplo, conseguir uma bolsa para estudar no exterior.
 
No decorrer do Governo Lula e agora com o intermédio do Governo Dilma, a classe média e média alta passaram também a ter facilitado o acesso para entrar na faculdade, fazer cursos técnicos, cursos complementares e estudar no exterior, aos milhares de indivíduos. Se alguém duvidar, que tenha o trabalho de pesquisar nos portais do Ministério da Educação e das universidades públicas federais, e, consequentemente, levar um choque de realidade e de verdade sistematicamente sonegadas pela imprensa corporativa e alienígena, para talvez assim passar a questionar o que ouve, vê e lê, além de parar de acreditar piamente em tudo o que diz a imprensa colonizada e de negócios privados, inimiga do Brasil e golpista por tradição histórica.
 
A verdade é que vaia de playboy não vale. Conheço muito bem os miamiplayboys de Brasília, que nunca passaram trabalho na vida, bem como conheço os do Rio de Janeiro e de muitas outras capitais e estados brasileiros. Chega a ser ridículo ver aquelas pessoas brancas, bem alimentadas, donas de bons empregos, carros e moradias, com dinheiro no bolso a vaiar a presidenta trabalhista, porque tais “patricinhas” e “mauricinhos” têm em seus DNA o germe da escravidão, mesmo sem saber ou ter noção do que é o passado real deste País.
 
Por instinto e, evidentemente, por serem politicamente conservadores, vaiam tudo aquilo e todos aqueles que representem mudanças, mesmo se os novos tempos não os prejudiquem. A verdade é que existe uma grande parte da classe média que odeia ver e perceber a ascensão da classe pobre, no que tange a ter acesso ao consumo e às coisas boas da vida, como, por exemplo, ocupar as cadeiras dos restaurantes, os bancos das universidades públicas ou os saguões dos aeroportos à espera de viajar de avião.
 
Aliás, o fato de o pobre viajar de avião me leva a relembrar uma das socialites deste País — a senhora Danuza Leão. A “dama” e colunista demitida recentemente da Folha de S. Paulo retratou, indelevelmente e fidedignamente, o preconceito que viceja nas almas de alguns seres presunçosos e por isto ignorantes. Danuza disse certa vez que ir a Paris e a Nova Iorque não tinha mais graça, porque ela poderia encontrar o porteiro do seu prédio nas ruas das duas cidades. Não há nada mais brega e babaca do que as palavras de uma das representantes da nossa colonizada, subserviente e moralmente decadente “elite”. Ponto.
 
A verdade é que a vaia a Dilma não traduz, de forma alguma, uma possível insatisfação do povo com a mandatária, uma das responsáveis, volto a afirmar, pelo visível e concreto desenvolvimento do Brasil nos últimos 11 anos, queiram ou não queiram os pessimistas, os intolerantes, os fracassomaníacos e os mentirosos. O Brasil vai seguir o seu destino, que é tão grande quanto o seu tamanho geográfico, pois País influente no mundo, de economia e moeda fortes e que tem um povo trabalhador, que é a melhor coisa do Brasil, porque é um luxo, enquanto a “elite” é retrógada, reacionária, subserviente aos desmandos do establishment, além de traidora, entreguista, colonizada, e, por fim, gigolô do povo brasileiro.
 
Os estádios espetaculares brasileiros, para o desgosto dos que detestam o Brasil, têm de ter ingressos populares, com preços baixos. O futebol sempre foi popular e os estádios sempre foram ocupados pelo povo. Nessas rodadas já iniciadas, ver cidadãos negros nos estádios é como procurar agulha no palheiro. Os governos e as prefeituras têm a obrigação de observar com responsabilidade essa importante questão social. Já assisti a três jogos pela televisão e verifiquei, quando as câmeras mostram as arquibancadas, que a presença de negros é um número irrelevante.
 
 
Além disso, muitos podem pensar: “Nem todos da classe média vão a Miami ou são colonizados ou detestam o Brasil”. Contradigo: É verdade. Porém, grande parte das diferentes classes médias pensa e age de forma arrogante, mesmo a parte que não tem tanto dinheiro, mas que é igualmente portadora dos princípios e dos valores dos ricos que detestam o Brasil. Ser e proceder dessa maneira é também uma questão ideológica, porque as ideologias ainda existem, e, por conseguinte, diferentemente do que apregoam os direitistas e os fundamentalistas do mercado, a fim de se darem bem, não acabaram. O Brasil se tornou, definitivamente, um dos países protagonistas de grandes eventos mundiais.
 

Alô! Alô!, lorpas e pascácios: vaias de miamiplayboys não vale! Torcer pela Seleção agora e a vida inteira contra o desenvolvimento do País e a emancipação do povo brasileiro também não vale. Nacionalismo mequetrefe e alienado não dá para aturar. E viva o Brasil! É isso aí.

 

 

COMENTÁRIOS

13 comentários em “Dilma é vaiada pelos miamiplayboys de Brasília”

  1. Eleitor pobre 17.06.2013 às 08:26

    Podem vaiar como quiserem… Aqui em casa os votos são da Dilma. Vaia não ganha a eleição. Só satisfaz o ego por alguns instantes.

  2. Vitor Santiago 17.06.2013 às 08:16

    Presidenta Dilma: Saiba V. Excia., que a vaia de ontem tenho todo a certeza que não partiu de nenhum brasileiro pobre e sim dos bens aquinhoados que tem bons saláriso, com alto poder aquisitivo, pois o pobre tenho certeza, não foi ao Estádio Mané Garrinhcha pelo simples fato: pois os ingressos mais baratos custavam 280.00. Quem ganha de 3 a 4 salários Mínimos não iria deixar de assistir o jogo confortavelmente em sua casa para ir num tumulto daqueles. De modo que os vaiadores são pessoas que acham que o mundo é deles e quando descobrem que não é, vaiam quem o está fazendo ficar melhor.

  3. joao de deus 17.06.2013 às 08:15

    e a copa do mundo nao deveria ser um evento de acesso para todos? ai eu te pergunto se foi um evento elaborado para elite como a presidenta de veria reagir.

  4. Adair A. Barros 17.06.2013 às 08:09

    Davis, não há reparos no que você diz. E mais, isso só vem corroborar com as declarações recentes da filosofa Marilena Chauí sobre eles. Cai como uma luva.

  5. David Sereno 17.06.2013 às 08:07

    Vi ontem um vídeo no Terror do nordeste falandoque vaiou e vaiaria mais! Em primeiro lugar foi uma injustiça com a nossa Presidenta e segundo lugar foi uma falta de educação sem tamanho. São os tais Playbois que nunca sentiram falta de nada e sempre tiveram seus “papais” para lhes entregar nas mãos, nunca trabalharam e nem sabem o que dificuldades. De modo que Presidenta Dilma chegou a hora do acerto de Contas com esta Mídia porca.

  6. leandro ribeiro de Freitas 17.06.2013 às 08:03

    Devia ficar calado. Ou viajar um pouco conhecer os problemas que temos no Brasil, de como é sofrido manter o que temos ,que conseguimos trabalhando e pagando imposto, e o governo comprando votos com bolsas de todo jeito

  7. Aldenor Santiago 17.06.2013 às 08:02

    Enquanto as briguinhas derivavam de Jornalecos e Revistas de Esgotos, ainda dava pra ir disfarçando! Mas, ontem uma meia dúzia (digo meia dúzia (Somos quase 200 Milhões) de bem nutridos e com altos salários) vaiaram a Nossa Presidenta Dilma e hoje os mesmos jornalões estão esfregando as mãos e dando risadas pela falta de educação dos bens nutridos, então Presidenta, chegou a hora de V. Excia, partir pra lei do talião (Ólho por olho dente por dente) Mande esta Helena Chagas caçar a turma dela e coloque no lugar dela um Collor ou um Requião e vamos cortar estas verbas gordas destes Jornalecos e Revista de Esgoto igual a InVeja e Isto É da vida. Melhor motivo que este Presidenta! não há. Chegou a hora do acerto de Contas!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  8. Gladys Moreira 17.06.2013 às 07:58

    Concordo com o Davis Sena Filho. Realmente, o estádio foi ocupado por gente que vive bem e vaia por conservadorismo.

  9. Acorda Antonio José… 17.06.2013 às 07:56

    … você já esta no primeiro mundo, basta você enxergar e aceitar. Você dever ser um daqueles caras que chama de “ativistas” os manifestantes da Europa e “bandeireiros” os ativistas da qui.

  10. Antonio José 17.06.2013 às 07:54

    Fiquei com uma dúvida… Será que a presidenta Dilma, foi vaiada porque, junto com Lula ajudou a RETIRAR 40 milhões da pobreza (com o programa Bolsa Família), REDUZIU drasticamente o índice de desemprego (5,7%) com a geração de 20 milhões de empregos com carteira assinada, TIROU da escuridão cerca de dois milhões de famílias (com o programa Luz para Todos), por estar promovendo uma revolução na construção civil (programa Minha Casa minha Vida), melhorado com o programa Viver Melhor, por ser a responsável na construção de plataformas e navios, por permitir que o filho do pobre possa ter a esperança de entrar numa universidade privada, através do PROUNI e FIES, entre outras políticas sociais, ou porque reduziu drasticamente A BOLSA SELIC… Alguém pode me explicar?