TODA MÃE MERECE O ADEUS DE SEU FILHO

 Fabrício Carpinejar

TODA MÃE MERECE O ADEUS DE SEU FILHO

Friday, July 12, 2013, 1:24 pm

CULTURA

Minha secretária Cléo chegou no trabalho chorando um dia desses. 

 
Sua filha tinha saído de casa sem se despedir.
 
Sua filha tinha pego todas as suas coisas enquanto ela estava comigo.
 
Sua filha não deixou nem um bilhete. 
 
Sua filha aproveitou a ausência para chamar o caminhão de mudança e fazer o frete em segredo. 
 
Sua filha limpou os armários e o quarto. Como uma ladra. Como uma desconhecida. 
 
Sua filha foi morar com o marido e não deu um único abraço de tchau. 
 
Toda uma vida sendo cuidada, sendo sustentada, sendo alimentada, sendo amada e nem um beijo de despedida. 
 
Nem um pedido de desculpa, nem um pedido de agradecimento.
 
Nem um aceno de mão na janela. 
 
Custava esperar a mãe voltar do serviço, custava explicar o que estava acontecendo, custava olhar nos olhos antes de seguir seu caminho?
 
Não há nada mais triste do que ser abandonado pelos filhos. 
 
Os filhos pensam que os pais estão contra eles. 
 
Os filhos pensam que os pais aguentam qualquer coisa.
 
Os filhos pensam que os pais superam tudo. 
 
Os filhos pensam que os pais já estão ultrapassados.
 
Os pais só pensam diferente, mas continuam amando igual. 
 
Por mais que doa, ninguém se torna adulto sem aprender a se despedir.
 
Toda mãe merece o adeus do filho. 

Ouça meu comentário na manhã de terça-feira (12/7) na Rádio Gaúcha, programa Gaúcha Hoje, apresentado por Antonio Carlos Macedo e Jocimar Farina:
 
 

Morte violenta de jovens provoca perda de mais de dois anos na expectativa de vida em alguns estados

 Agência Brasil

Morte violenta de jovens provoca perda de mais de dois anos na expectativa de vida em alguns estados

Friday, July 12, 2013, 2:39 pm

BRASIL

Vitor Abdala
Repórter da Agência Brasil
 

Rio de Janeiro – A morte violenta de milhares de jovens a cada ano no país provoca redução da expectativa de vida em todos os estados, revela estudo divulgado hoje (12) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Em alguns estados, como Alagoas e Espírito Santo, a expectativa de vida dos homens diminui mais de dois anos por causa de homicídios, acidentes e suicídios de pessoas entre 15 e 29 anos.

De acordo com o Ipea, os homens de Alagoas têm perda de 2,62 anos em sua expectativa de vida e os do Espírito Santo, de 2,14 anos. Outros nove estados têm redução de mais de 1,5 ano na esperança de vida por causa da violência na juventude: Bahia (1,81 ano), Amapá (1,74), Pará (1,73), Paraíba (1,69), Paraná (1,68), Pernambuco (1,66), Ceará (1,6), Goiás (1,53) e Mato Grosso (1,51).

Apenas três estados têm perda estimada menor do que um ano: São Paulo (0,78), Acre (0,95) e Santa Catarina (0,98). Os homens do Rio de Janeiro têm perda é de 1,32 ano e o Distrito Federal, de 1,42. O estudo do Ipea também tenta contabilizar, por meio de um modelo econômico complexo, o “valor da vida”.

Conforme o cálculo do Ipea, as mortes violentas de jovens no país causam perda de bem-estar social equivalente a R$ 79 bilhões por ano. O custo equivale a 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país.

Segundo o pesquisador do Ipea Daniel Cerqueira, o impacto é diferente em cada estado. Nos estados mais violentos, como Alagoas, o custo das mortes violentas, de R$ 1,7 bilhão, chega a representar 6% do PIB. Em São Paulo, estado que registra a menor taxa de mortes violentas de jovens, o custo, de R$ 14,9 bilhões, representa 1% do PIB.

“A taxa de mortalidade é um custo de bem-estar social. É um custo em termos de dor, sofrimento, perda de produtividade, e representa um grande custo econômico. Só para ter uma dimensão do que representam R$ 79 bilhões, isso é mais do que o orçamento das secretarias de Segurança e de Justiça [ou Administração Penitenciária] de todos os estados”, disse Cerqueira.

Edição: Nádia Franco

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir o material é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil