“O amor acaba”, de Paulo Mendes Campos

Autores e Livros

O amor acaba. Numa esquina, por exemplo, num domingo de lua nova, depois de teatro e silêncio; acaba em cafés engordurados, diferentes dos parques de ouro onde começou a pulsar; de repente, ao meio do cigarro que ele atira de raiva contra um automóvel ou que ela esmaga no cinzeiro repleto, polvilhando de cinzas o escarlate das unhas; na acidez da aurora tropical, depois duma noite votada à alegria póstuma, que não veio; e acaba o amor no desenlace das mãos no cinema, como tentáculos saciados, e elas se movimentam no escuro como dois polvos de solidão; como se as mãos soubessem antes que o amor tinha acabado; na insônia dos braços luminosos do relógio; e acaba o amor nas sorveterias diante do colorido iceberg, entre frisos de alumínio e espelhos monótonos; e no olhar do cavaleiro errante que passou pela pensão; às vezes acaba o amor nos braços torturados…

Ver o post original 438 mais palavras

“Esquimós”, de Zuca Sardan

Autores e Livros

zopzdpzopbodpozqbzopzop

Esquimós

Os esquimós nem tanto
Você aí
fumando um cigarro
mata-rato poluidor
(vai ver até baseado)
Você, sim,
é o bode safado!…
Tráfico, jogo do bicho,
matanças, ópio,
kamikazes,
esquentamento
da biosfera
a Amazônia careca
a Polinésia afundando
E você??…
se coçando

zopzdpzopbodpozqbzopzop

Do livro Ximerix. Poesias de Zuca Sardan, São Paulo, Cosac & Naify

Ver o post original

Mud – Amor Bandido

Crítica (non)Sense da 7Arte

Gosto de filmes com garotos. Porque estas produções, normalmente, resgatam aquele desejo de aventura e de descobrir o que ainda não se sabe antes da fase adulta, quando o cinismo costuma entrar em cena. Mud segue a tradição de filmes do gênero e nos apresenta uma obra singela, mas muito interessante. Destas que fazem a gente pensar sobre as nossas apostas, nos conceitos e sentimentos que queremos seguir acreditando, e na necessidade de saber quando dar o passo adiante.

A HISTÓRIA: Brinquedos e lembranças marcadas pelo tempo decoram o quarto de Ellis (Tye Sheridan). O garoto está sentado no escuro, à espera de um sinal. Quando o walkie-talkie que ele tem na mão toca, Ellis age. Saindo de casa, ele escuta a mãe, Mary Lee (Sarah Paulson), falando que está cansada de morar ali. O marido (Ray McKinnon) escuta sem tirar os olhos do…

Ver o post original 2.434 mais palavras