Clave

Verbo Ductum

Imagem

Suponhamos que as ondas do acaso te jogassem em uma praia diferente. Nessas em que tudo é espanto. Onde conchinhas minúsculas trouxessem no externo do dorso escritos reveladores, códigos, frases sintéticas, sutilezas, perfumes. No interior de cada uma delas se desenrolariam filmezinhos caseiros. Histórias curtas de gente que você nunca viu, mas que sentisse como se as conhecesse desde que nasceu ou de muito antes.

Mais tarde, no pequeno hotel (sempre há de haver um quarto para descansar ossos e olhos de tanto movimento), ao errar de porta, você desse com a seguinte cena: um salão, cuja fonte de luz indireta não fosse possível distinguir, com algumas mesas ocupadas, circundando um pequeno palco em meia lua a partir do qual a musa de canto suave, roçando a audiência com o veludo escuro da voz, acompanhada de um quarteto (piano, contrabaixo, bateria e trompete), espalhasse vibração tão confortável no ambiente que…

Ver o post original 173 mais palavras

Count Basie

Ouvindo Blues

count_basie___leonid_afremov_by_leonidafremov-d4fmp80

Count Basie é sinônimo de big band, assim como Duke Ellington. Começou como pianista em um cinema, tocou com os Blue Devils do contrabaixista Walter Page e depois com a orquestra de Bennie Moten. A carreira de bandleader começou em 1935, quando recrutou alguns músicos da extinta orquestra de Moten. Basie foi para New York com sua recém-organizada orquestra em 1936. O sucesso veio logo. Basie conseguiu esculpir um conjunto que, além de se tornar um dos mais célebres dos anos 30 e 40, estabeleceu um paradigma de excelência comparável apenas ao estabelecido por Ellington.

A primeira fase da orquestra, que vai de 1936 até 1940, se caracteriza por arranjos simples mas eficazes. A segunda fase, de 1940 até 1950, se caracteriza por arranjos mais elaborados, com maior riqueza harmônica. Devido a dificuldades econômicas, a orquestra de Basie teve que ser desativada no período 1950-1951, reduzindo-se a…

Ver o post original 212 mais palavras

Jazz segundo Woody Allen

Zine Musical

Music-Jazz-Woody-Allen-BZ1D7646-20080722Que Woody Allen é um apaixonado pela música popular norte-americana, isso não é nenhuma novidade. Em sua adolescência, aos 14 anos, o cineasta encantou-se definitivamente com o jazz. Um depois começou a tocar clarineta e estudou de cara com Gene Sedric, que tocara com Fats Waller. Na década de 70 formou seu próprio grupo, a New Orleans Funeral and Ragtime Orchestra. E, toda essa sensibilidade do astro está contida em The Woody Allen Experience (Music Brokers), um álbum duplo com faixas selecionadas a dedo pelo próprio Woody. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

O material composto por 28 canções traz performances originais de nomes como Ella Fitzgerald, Benny Goodman, Nat King Cole, entre outros. Na tracklist destaque para Frank Sinatra ainda garotinho arrasando em Begin the Begin com a big band de Tommy Dorsey, Sarah Vaughan na flor da idade, sensacional em But Not for Me e…

Ver o post original 63 mais palavras