Por que a direita teme que Marina seja um novo Jânio

A direita teme Marina. Entre os candidatos fortes, os conservadores ficam, é claro, com Aécio. Mas entre Marina e Dilma a opção tende a ser por Dilma. Por uma razão básica: eles conhecem Dilma. Sabem o que ela pode fazer e o que não pode fazer. Ela é previsível. Marina, não. A direita teme o que ela possa fazer uma vez no Planalto. E se ela, por exemplo, decide cortar drasticamente as verbas publicitárias do governo federal? Isso significaria um alto risco para os 600 milhões de reais que, todos os anos, a Globo recebe em verbas publicitárias governamentais. Num momento em que a internet assola as grandes companhias de mídia, fechar a milionária torneira publicitária de Brasília – ou mesmo reduzir o jorro – seria uma pancada fortíssima. Talvez letal. Dilma não fará isso. Marina pode fazer. Quer dizer, pelo menos na fantasia paranóica conservadora. Não à toa, nos últimos dias, a mídia começou a publicar seu medo de Marina. “Marina presidente é prenúncio de uma crise depois da outra”, disse o Estadão num editorial. O Globo comparou-a a Jânio Quadros. Jânio, um campeão de votos como Marina, era ele, ele e mais ele. Não se submetia à disciplina de partido nenhum. A direita, reunida na UDN, que jamais ganhara uma eleição presidencial, achou que o tinha conquistado na sucessão de JK. Apoiou-o e venceu com ele. Pouco depois, Jânio já estava condecorando Guevara e se indispondo com os cardeais da direita, a começar pelo mais poderoso deles, Carlos Lacerda. Num episódio de extrema simbologia, Lacerda, então governador do Rio, foi a Brasília para se encontrar com Jânio. Uma das questões que Lacerda queria discutir era a situação financeira de seu jornal, Tribuna da Imprensa, dirigido pelo filho Sérgio. O jornal estava à beira da quebra, e Lacerda queria uma ajuda do governo. Lacerda imaginava ficar hospedado no Palácio da Alvorada, com a devida deferência. Deixou lá sua mala, ao chegar a Brasília, e saiu para um compromisso. Ao voltar, o mordomo do Alvorada o esperava na guarita, com a mala na mão. Foi uma bofetada moral em Lacerda, que jamais perdoaria Jânio. Este era Jânio, inadministrável. Os conservadores temem que a história se repita com Marina. Ao contrário do que muitos possam imaginar, num segundo turno entra Dilma e Marina, a direita torcerá muito provavelmente por Dilma. É uma boa notícia para Dilma – com a ressalva de que a direita tem dinheiro, mas não tem voto.

Source: www.diariodocentrodomundo.com.br

See on Scoop.itBOCA NO TROMBONE!

Eleições: Você acha que é cool e hype ser blasé diante da política?

Serei obrigado a discordar de Francisco Everardo Oliveira Silva, vulgo Tiririca. Pois pior do que está, pode ficar sim.Aliás, tenho gases quando ouço esse discursinho de que um município, um e…

Source: blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br

See on Scoop.itBOCA NO TROMBONE!

Wild Arizona: Escudilla Mountain and More

Arizona Highways

James Robert Terrell | Escudilla Wilderness James Robert Terrell | Escudilla Wilderness

EDITOR’S NOTE: Each afternoon in September, in honor of the 50th anniversary of the Wilderness Act, we’re spotlighting three of Arizona’s 90 wilderness areas. For more information about any of the state’s wilderness areas, visit Wilderness.net, a collaboration between several wilderness-related organizations. The information here comes from that site and the wilderness areas’ managing agencies. Always contact the managing agency before visiting a wilderness to learn about any restrictions that may be in effect. To see our entire Wild Arizona series, click here

Escudilla Wilderness
The 2011 Wallow Fire burned much of this wilderness’ namesake mountain, but it’s already renewing itself, with aspen thickets and native grasses growing amid burned trees. Large elk herds can be found on Escudilla Mountain, and naturalist Aldo Leopold wrote about the peak in A Sand County Almanac.

Location: North of Alpine
Established: 1984
Size: 5,200…

Ver o post original 156 mais palavras