Babilônia é um marco no declínio da Globo. Por Paulo Nogueira

Num de seus mais admirados discursos da guerra contra o nazismo, Churchill disse: “Não é o fim. Não é nem o começo do fim. Mas é, talvez, o fim do começo.” Depois de apanhar duramente dos alemães de Hitler, a Inglaterra enfim reagira sob Churchill. Como Churchill magistralmente colocou, o nazismo não fora ainda liquidado.  Mas alguma coisa mudara na guerra, e definitivamente, contra a Alemanha. A sentença churchilliana pode-se aplicar, agora, à Globo, com o monumental fracasso de Babilônia. Não é o fim da Globo, e nem o começo do fim. Mas é, provavelmente, o fim do começo do processo de dissolução da casa dos Marinhos. Babilônia, com sua miserável média de 25 pontos, a pior da história das novelas do horário nobre, é um marco. É um registro da obsolescência da televisão como mídia, devastada pela internet. Muitos teimam em atribuir o desprezo do público à má qualidade da novela, mas é um erro. É como imaginar que uma carruagem, quando os automóveis começaram a dominar as ruas, vendeu pouco porque seu design era feio. O problema é o produto. Houve um tempo para novelas no Brasil, mas este tempo passou. O interesse do público migrou para as enormes possibilidades oferecidas pela internet. A  falácia da explicação do Ibope tísico pela má qualidade se desfaz quando você observa os índices de audiência igualmente cadentes do Jornal Nacional, para ficar num caso. Se fosse um problema meramente de qualidade, o comando do JN teria sido inteiramente trocado já faz tempo, mas a dupla Kamel-Bonner está firme. Quanto tempo até o colapso? É difícil precisar. Imaginava-se, no caso das revistas, que elas durariam mais tempo, como indústria respeitável financeiramente, do que efetivamente aconteceu. Quatro anos atrás, quem haveria de imaginar que a Abril estaria hoje se desfazendo, como um doente que sofre ao mesmo tempo de câncer e de Alzheimer? O público já tinha abandonado a Abril e suas revistas quando, com algum atraso, os anunciantes fizeram o mesmo. Aí acabou. Provavelmente é o que acontecerá, em breve, com a Globo. A audiência se foi, e em algum momento os anunciantes não terão escolha senão partir também. Babilônia é um símbolo de que a Era da Tevê terminou. Não é o fim da Globo, para repetir Churchill. Nem o começo do fim. Mas tem tudo para ser o fim do começo do desmoronamento.

Sourced through Scoop.it from: www.diariodocentrodomundo.com.br

See on Scoop.itBOCA NO TROMBONE!

Os dez projetos de Feliciano com embasamento bíblico

FELICIANO TENTA CALAR O SENSACIONALISTA Altamiro Borges em seu blog em 27/8/2015 O deputado-pastor Marco Feliciano, famoso por suas posições preconceituosas e direitistas, não tem senso de humor. V…

Sourced through Scoop.it from: limpinhoecheiroso.com

See on Scoop.itBOCA NO TROMBONE!

Pedido de Gilmar Mendes não tem fundamento jurídico, argumentam advogados do PT

As contas de campanha à reeleição da presidenta Dilma Rousseff foram aprovadas por unanimidade pelos ministros do TSE e processo foi encerrado, explica a equipe jurídica Os advogados do Partido dos Trabalhadores (PT) vão contestar o pedido do…

Sourced through Scoop.it from: www.ptmg.org.br

See on Scoop.itBOCA NO TROMBONE!

A lista dos 30 senadores com pendências criminais

Plenário do Senado Federal (reprodução)
Quase 40% dos senadores estão sob investigação no Supremo Tribunal Federal (STF). Dos 81 integrantes do Senado, pelo menos 30 respondem a inquéritos ou ações penais na mais alta corte do país.

Sourced through Scoop.it from: www.pragmatismopolitico.com.br

See on Scoop.itBOCA NO TROMBONE!