O tempo,o pássaro

O Outro Lado

o tempo,o pássaro

E porque já te sabia ainda antes de te conhecer, pode ser no escuro, meu amor.
As minhas mãos encontrarão o caminho. Os meus olhos guiados pela tua voz, tingida já na minha, guiarão as vontades que guardámos para agora.
O teu cheiro, antigo como os sonhos de que tenho memória, embriaga de lucidez este corpo que é já teu.

Sou a pele que agora te dou a vestir. Descasas cada botão com a pressa na ternura que os teus dedos, ágeis, desenham como pincéis.
É nas ondas do meu corpo que navegas como se há muito o fizesses.
Pedes-me palavras que só em gestos consigo devolver. Gestos convulsos, desordenados onde as palavras se fazem de gemidos.

(Olha-me, meu amor. Lê-me só. Com o teu corpo, minha pele. Um só, num mesmo ressoar de corpos. Melodia do fundo dos tempos.)

Dois corpos nus, repousam lado a lado. Ele fuma um…

Ver o post original 50 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.