Lonely Heart — Jazz and Classic Pop Music

This song, written by members Bob Bogle and and Don Wilson, was on the Ventures 1961 album, “Another Smash”. It was also released as a single, but did not chart. My arrangement and recording largely follows the original with some minor rhythmic changes and the addition of a baritone guitar for some of the lead […]

via Lonely Heart — Jazz and Classic Pop Music

Solo stelle… — Controvento

Né pure, né lontane, né abbordabili da una nave cosmica: solo stelle, come mi è dato di vederle. Comparato con i poeti classici e gli astronauti – grandi parole e grandi viaggi – so che è poco, molto poco. Che fare in mezzo a tanta magnificenza: guardare con questi occhi miei – miopi, […]

via Solo stelle… — Controvento

Sindicato de Jornalistas Palestinos lança campanha pela liberdade de 21 detidos em cárceres israelenses

O Mundo & A Resistência

O Sindicato de Jornalistas Palestinos lançou uma campanha pela liberdade de 21 jornalistas detidos em cárceres israelenses nesta segunda-feira (18/07). No mesmo dia, Adib Al-Atrash, jornalista de Hebron detido há um mês, recebeu a sentença do tribunal militar israelense de Ofer, na Cisjordânia, para mais três meses de detenção. Não foram feitas acusações formais. Al-Atrash esteve detido em um centro de interrogatórios, de acordo com The Palestinian Information Center.

Por Moara Crivelente | No Cebrapaz, no Portal Vermelho, no Oriente Mídia e no Pravda


Foto reproduzida nas redes sociais durante a ofensiva de 2014 contra a Faixa de Gaza.
O jornalista era Khaled Hamed, de 25 anos de idade.


Na Palestina ocupada e em Israel há ordens militares e uma lei remanescentes da colonização britânica garantindo “poderes de emergência”, inclusive para a detenção de “suspeitos” administrativamente.

A “detenção administrativa” pode durar até seis meses, mas o período…

Ver o post original 485 mais palavras

Forma

Dulcineia's Weblog

Procurava um estilo – algo que se pusesse no

poema como um chapéu para a chuva ou para o

sol. Queria vestir a linguagem, a estrofe, o verso

com a insólita elegância do equilibrista. Lia

em voz alta os poemas dos outros como se fossem

seus; e, no entanto, não conseguia sair da

“aurea mediocritas”, do tom baixo que caracteriza

os simples imitadores, Uma noite, aproveitou

o isolamento da rua para se observar a si

próprio no reflexo de uma porta de vidro. “Quem

és?”, perguntou à sua imagem; e não se espantou

com o silêncio que lhe respondeu. Não era ele,

afinal, incapaz de explicar fosse o que fosse

da vida ? Construía ilusões e deixava que elas

se esfumassem sem se preocupar em fixar a

sua imagem – afinal, aquilo de que os poemas são

feitos. E o inverno passou, com o fogo das suas

águas; uma primavera…

Ver o post original 72 mais palavras

Déjà Vu

Lis Coelho

Não que eu saiba muito bem o que vou fazer daqui pela frente.

Meu corpo me guia: acordo às seis, pego minha mochila e ando com a postura de quem vai dominar o mundo (mal sabem que me perdi dentro do meu próprio).

E todas aquelas cenas do futuro que já estavam escritas? Andei tão despercebida beirando novamente o penhasco, que quando dei por conta, se foram igual folha seca no outono.

Corri três ou quatro vezes e não consegui pegar uma só!

O futuro foi escrito a dois. Para dois. Com dois. Mas eu estava sozinha no final. E quando sentei novamente com papel e caneta em mãos, não existia mais um enredo!  Meu Deus, que desespero!

Se eu começar a escrever agora não vou respeitar espaço entre as palavras. Serão acúmulos de letras sem sentido.

Vontade de sair correndo, me jogar daqui e virar folha seca também.

Mas já é dia…

Ver o post original 114 mais palavras