A difícil arte de expressão em soneto segundo Baltazar del Alcázar

vicio da poesia


sala-com-rapariga-sorrindo-1657a-detalhe-500pxVolto à difícil arte do soneto com uma das primeiras brincadeiras sobre a dificuldade de expressar em soneto uma ideia, sentimento, ou acontecimento, na rigidez da sua forma rimada (em quatorze versos de dez sílabas), com a exigência adicional de exposição, desenvolvimento, e conclusão do assunto.

Já antes aqui no blog, e no artigo A difícil arte do soneto, dei conta de alguns exemplos e considerações a este propósito, com o destaque especial do soneto Quatorze versos, de Alexandre O’Neill. Regresso agora com um soneto de Baltazar del Alcázar (1530-1606) no qual o poeta tenta, sem o conseguir antes que o soneto acabe, expressar um segredo à sua bela inimiga Inês.

Bela inimiga seria, no contexto poético do tempo, uma mulher desejada que não respondia ao assédio desse desejo. Sendo o soneto à época uma privilegiada forma de expressar o desejo amoroso, tal está subentendido no segredo que o…

Ver o post original 314 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.