Obras Inquietas – 01: “O Jardim da Morte” (1896), de Hugo Simberg

O Homem Despedaçado

Antes de começar, uma breve explicação: a Aline Pascholati, do Artrianon – https://artrianon.com/ – me convidou para escrever uma coluna sobre arte. Não sei nada de arte, não tenho conhecimentos teóricos o suficiente, mas notei que as obras que ficam na minha memória são aquelas que, de uma forma ou de outra, me transmitem inquietude, desconforto, inadequação. Toda obra de arte desperta isto, mas algumas me tocam de um jeito diferente e acabam se tornando mais memoráveis, e a razão disto nem eu sei direito, mas espero descobrir. Por isso, o nome da coluna é “Obras Inquietas”, e nela mostrarei pinturas, esculturas, fotografias, músicas, danças, quadrinhos, objetos e até livros que me deixaram inquieto, ao passo que, em pequenos textos, tentarei desconstruir meus receios.

O homem é pequeno, ainda que a ambição seja grande. Pretendo chegar a 1000 obras (ou seja, 1000 inquietudes), mas o que eu conseguir fazer…

Ver o post original 370 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.