A difícil arte de expressão em soneto segundo Baltazar del Alcázar

vicio da poesia


sala-com-rapariga-sorrindo-1657a-detalhe-500pxVolto à difícil arte do soneto com uma das primeiras brincadeiras sobre a dificuldade de expressar em soneto uma ideia, sentimento, ou acontecimento, na rigidez da sua forma rimada (em quatorze versos de dez sílabas), com a exigência adicional de exposição, desenvolvimento, e conclusão do assunto.

Já antes aqui no blog, e no artigo A difícil arte do soneto, dei conta de alguns exemplos e considerações a este propósito, com o destaque especial do soneto Quatorze versos, de Alexandre O’Neill. Regresso agora com um soneto de Baltazar del Alcázar (1530-1606) no qual o poeta tenta, sem o conseguir antes que o soneto acabe, expressar um segredo à sua bela inimiga Inês.

Bela inimiga seria, no contexto poético do tempo, uma mulher desejada que não respondia ao assédio desse desejo. Sendo o soneto à época uma privilegiada forma de expressar o desejo amoroso, tal está subentendido no segredo que o…

Ver o post original 314 mais palavras

Dois dedos acima da lama

Tendências do imaginário

trachtenbuch-des-christoph-weiditz-germanisches-nationalmuseum-nurnberg-1530s Fig 01. Dança mourisca. Trachtenbuch, de Christoph Weidiz. 1530s.

Tenho-me distraído à procura de documentação sobre a música e as danças mouriscas. Encontrei no livro Trachtenbuch (c. 1530), de Christoph Weiditz, uma série de gravuras, retratando mouriscos (ver Figuras 1 e 2). Mas o que cativou o olhar foram os socos (patten), partes de calçado relativamente elevadas sobre as quais se colocavam os sapatos. Lembram os patins. Os socos protegiam os sapatos, frágeis e caros, da lama e dos detritos das ruas. Outro uso fazia a nobreza, mais estéticas e estatutário. Em casos extremos, os socos eram tão altos que a pessoa não conseguia andar sem apoio (ver Figuras 4). Conhecia o uso medieval dos socos. Desconhecia estas ilustrações.

morisco-llevando-pan-weiditz-trachtenbuch-103-104-1530s Fig 02. Mourisco transportando pão. Trachtenbuch, de Christoph Weidiz. 1530s.

Os socos (patten) subsistiram pelo menos até ao século XIX. Vários pintores os incluíram nas suas obras. Por exemplo, Albrecht Durer, Hans…

Ver o post original 43 mais palavras

XV de Piracicaba e seu hino caipira

A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

Não sou muito ligado em futebol, mas em Rio Claro, minha cidade natal, gostava muito de assistir ao derby rio-clarense. Era um clássico, com guerra entre as torcidas do Velo Clube Rio-clarense – conhecido como Rubro Verde (meu time de coração por lá!) e o Rio Claro Futebol Clube, conhecido como Galo Azul ou Azulão. Outro jogo bem concorrido era quando um desses dois times jogava com o XV de Piracicaba.

xv

O XV é um dos clubes mais conhecidos do futebol do interior paulista. Fundado em 1913, e igual aos times da região, nunca foi uma equipe de títulos expressivos. Mas é um time conhecido por sua simpatia entre todos. Porém há sempre quem tente ofuscar o grande “Nhô Quim” (Sinhô Quinze), confundindo os fãs e torcedores com o mesmo nome.

Ver o post original 183 mais palavras

The Beauty of Living in Simplicity

thehappylife101

“The people who keep their lifestyle natural as much as possible to the decency level meet quite often in life a beautiful person.” – Anuj Somany

Let me tell you a real life story of someone I know who is very famous and successful.
His dad was an assistant VP on a humongous company, and yet he did not grow up pampered and spoiled as most rich kids are. His parents lived a life of simplicity- they did not live in a mansion nor owned luxury cars. Theirs is just a typical medium-size home and a Toyota car of more than 10 years old.

In his elementary days, he was taught to commute going to and from school. And he looks forward to every Sunday because that is the only time they are allowed to drink Coke. He also did not own a lot of toys- but then once a…

Ver o post original 365 mais palavras

O Globo ultrapassa a “margem tolerável de inexatidão”

bloglimpinhoecheiroso

lula_globo_jornal_logo01

Via Jornal GGN em 29/9/2016

Cristiano Zanin Martins e Roberto Teixeira, advogados do ex-presidente Lula, enviam mais uma nota contra as inexatidões cometidas pela grande mídia. Inexatidão, no caso, para tentar influenciar magistrados no processo de Lula contra O Globo. Os advogados afirmam que o jornal não retrata a realidade dos votos proferidos e tentam influenciar indevidamente no julgamento do recurso a ser interposto.

A nota afirma que, em momento algum, os desembargadores disseram, no caso da “Youssef deu direito à firma ligada à obra do prédio de Lula”, que a reportagem era verídica, mas que estava caracterizada “por margem tolerável de inexatidão”. O jornal desvirtua o teor e sua repórter, em suas próprias palavras ao se explicar na Justiça é de que “não se preocupou em constatar se a investigação mencionada na reportagem realmente existia”, evidenciando aí uma ligação de sua fonte com a investigação.

Leia a nota…

Ver o post original 417 mais palavras

Hole

Whatever I Feels Like Writing

the unraveling stars illuminate our darkest skies
with intensity and heat and frictional waves
that encircle our deepest centers
without wind to guide or storms to push
yet are storms we understand not
and lead us not
into our temptations
or into their temptations
the lengths of which we cannot fathom
for we keep only a distance we can grasp
and pray that what we see not
what escapes our visual grasp
keeps its distance from us
and allows us
to admire its unquenchable appetite from afar
as we listen close but struggle to hear
its crawl to us
to feed its rumbling tummy
as nothing can escape
what it chooses
to eat
while it never complains that its belly is not full

Ver o post original