A RADIOGRAFIA DO GOLPE (Entenda Como e Por Que Você foi Enganado) – Conheça o novo livro do sociólogo Jessé Souza (Leya, 2016, 160 pgs)

A CASA DE VIDRO

No calor da hora, em Julho de 2016, quando o golpe de Estado estava prestes a consumar-se, Jessé Souza tornou pública esta obra que pretende ensinar ao Brasil que “o objetivo real nada teve de novo em relação a todos os outros golpes de Estado praticados no passado nacional: atender aos mesquinhos interesses políticos e financeiros da pequena elite do dinheiro.” Em A Radiografia do Golpe (Leya, 2016, 160 pgs, compre aqui), o sociólogo Jessé Souza, de 56 anos, analisa e denuncia o complô midiático-parlamentar-jurídico que serviu, em 2016, para estuprar a frágil democracia republicana brasileira em prol das velhas aves de rapina da Plutocracia.

jesse“A articulação entre mídia – como braço dos endinheirados que cuida da violência simbólica -, comandando e estimulando as manifestações de rua da fração mais conservadora da classe média, e a facção mais conservadora e corporativa da casta jurídica formou a linha de frente do golpe reacionário. A…

Ver o post original 2.395 mais palavras

Por mais palavrões, carajo!

Telha do Tiago

carolglobo Shit happens

Dias atrás Donald Trump falou alguns absurdos sobre as mulheres, vocês devem ter visto. Absurdos que fizeram alguns aliados pularem de sua campanha, além de provocar certo asco em pessoas socialmente racionais. Dia 10, a GloboNews repercutia o caso transmitindo ataques dele (que serviam para justificar o que havia sido dito) pouco antes de as imagens voltarem à repórter Carolina Cimenti, que, obviamente, sem saber que estava ao vivo, desabafou:

Convenhamos: “Puta que pariu” é o mínimo a se dizer diante do caminhão de absurdos que o candidato republicano dispara volta e meia. De pronto a gafe ganhou as redes sociais. Mas a tônica ficou mais na iminente demissão da repórter, que tem nas costas diversas coberturas complicadas, do que na repercussão dos fatos em si.

Ainda na TV, mas dias antes…

Ver o post original 305 mais palavras

A volta do poder teológico-político não é risco apenas em países muçulmanos

Teoria e Práxis

Por Vladimir Safatle

A consolidação de um poder teológico-político a comandar o Estado não é algo que seja um risco apenas em certos países muçulmanos ou na Polônia.

Ele é um fato cada vez mais evidente no Brasil com seus pastores-deputados aliados de saudosos da ditadura militar. Tal consolidação do poder teológico-político alcançará um grau inaudito caso o pastor Marcelo Crivella seja eleito prefeito da segunda maior cidade do país.

Crivella tentou se vender como um político “normal”, mesmo relatando lei que obriga bibliotecas a terem uma Bíblia e pune funcionários que desrespeitem tal privilégio (por que não obrigá-las a terem também um Corão, a “Ilíada” ou o “Tratado Teológico-Político”, de Spinoza?).

No entanto, ele é, na verdade, o principal representante político de um megaempreendimento religioso chamado Igreja Universal do Reino de Deus, comandado por seu tio, o arquiconhecido Edir Macedo. Sua eleição significa que a cidade mais emblemática do…

Ver o post original 603 mais palavras

Solidão

Histórias em Português

bosque-f

Se um homem caminhar pelos bosques, durante algumas horas por dia,
simplesmente para apreciar a sua beleza,
corre o risco de ser considerado preguiçoso. 

Mas, se passar os dias como especulador, a cortar esses mesmos bosques
e a desertificar a terra antes do tempo,
é considerado um cidadão ativo e empreendedor.

Thoreau

Ver o post original

A revolta da natureza

Para espíritos livres

HORKHEIMER, M., 1895-1973. Eclipse da razão.  Tradução Carlos Henrique Pissardo.  São Paulo: Ed. Unesp, 2015.  207p.

Se a razão é declarada incapaz de determinar os fins últimos da vida e deve contentar-se em reduzir tudo o que encontra a uma mera ferramenta, sua única finalidade remanescente é a simples perpetuação de sua atividade coordenadora. Essa  atividade era outrora atribuída  ao “sujeito” autônomo. No entanto, o processo de subjetivação afetou todas as categorias filosóficas : ele não as relativizou e as preservou em uma unidade de pensamento mais bem estruturada, mas reduziu-se ao status de fatos a serem catalogados. Isso também é verdadeiro para a categoria de sujeito. A da filosofia dialética desde os tempos de Kant tentou preservar a herança do transcendentalismo crítico, sobretudo o princípio de que os traços e as categorias fundamentais do nosso entendimento do mundo dependem de fatores subjetivos.  A consciência da tarefa de seguir…

Ver o post original 1.093 mais palavras

Etchings

DoodleScribbles

2710950729_bcdf439c02_b

Etchings

a beast awakes in her sleep
recounting all of her defeat
etched on her skin are downfalls
broken hearts and failures
but day breaks with renewed faith
trampling over the nasty beast
the odious markings on her skin
she wears with pride again

© 2016 Maria. All Rights Reserved.


In response to MindLoveMisery’s Menagerie’s photo challenge #134.

Head over here to join the fun!

Ver o post original

História da arte: Mesopotâmia e os primeiros passos da arquitetura.

historiadaarte-mesopotamia

Neste momento histórico conhecemos os “primeiros urbanistas” e o local onde se denominou como “o berço da arquitetura antiga”, especificamente na Babilônia (a primeira cidade da história).

Os mesopotâmicos planejavam cidades complexas usando tijolos secos. Eles construíram santuários fechados, oficinas, armazéns e zonas residenciais. Sendo assim, pela primeira vez a vida era regularizada, com divisões de trabalho e ações coletivas. Um  exemplo é a cidadela do rei Sagão segundo (foi destruído por volta de 600 a.c).

Já em 3500 a.c, estes povos suméricos, primeiros habitantes da região, dominaram as técnicas de irrigação e de controle do fluxo de água a ponto de criar verdadeiros oásis férteis no meio das planícies arenosas que hoje se localiza o Iraque. Sendo instalados entre os rios Tigre e Eufrates, deram origem às cidades-estados, a religião formal, escrita, matemática, leis e muitas influências arquitetônicas.

mapahistoriadaartemesopotamia

Uma destas influências arquitetônicas, talvez a mais clara para observarmos…

Ver o post original 389 mais palavras