Intolerância mata 

Repórter Ninja

Ruas apenas trabalhava. Era um dos milhões de negros e índios que ainda hoje não descansam nem durante a ceia de Natal. Em um metrô, onde o Estado inexiste, em que tudo foi privatizado, inclusive, pelo visto, até a alma das pessoas, apenas pediu calma, apenas defendeu o direito do ser humano ser quem é.

A travesti sobreviveu, enquanto o negro ambulante era assassinado por neonazistas. Rosa, há cem anos assassinada por ser comunista, dizia que ou seria socialismo ou barbárie.

As décadas passaram e, enquanto aqueles que professam o ódio e a intolerância em seu cotidiano rezavam em suas ceias de Natal – como que para livrar-se de suas consciências – a barbárie ceifava outra vida espoliada. Luis Carlos Ruas, Presente!

Daniel Araujo Valença – professor Direito UFERSA

Ver o post original

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.