Babush e o Funeral de Estado

a farpa

Mário Soares morreu.
Não sou daqueles que usa falecer. Não sei se é politicamente incorrecto, mas a morte é um estado do qual não se regressa, por tal, morto morrido – não matado – mas Mário Soares não faleceu, morreu. Paz à sua alma.

No encalço daquele que é o grande velório, funeral, de um Chefe de Estado Português, nas incontáveis presenças Nacionais e estrangeiras, uma se faz notar como sentida ausência: António Costa, o sucessor da sucessão feita sucedâneo.
Criticas à parte, e mesmo antes de ir à farpa daquilo que pode ser a minha opinião, quer antes abordar a temática desse ódio que cerca não só este tema como o do livramento que muitos tiveram com a partida de Soares.

Soares nunca foi consensual. E a sua morte trouxe presente esse facto.
Seja a bandeira que me recuso a desvelar nessa imagem censurada que criei, seja sobretudo…

Ver o post original 363 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.