Prefiro Hétero: de pai para filho

esQrever

No outro dia deparei-me com um artigo de Ricardo Graça que, num estilo humorístico, debatia-se sobre a expectativa que pais e mães têm sobre os seus filhos e filhas. Nomeadamente sobre a sua orientação sexual, confessando que “é no amor que lhes tenho e que lhes quero dar até ao fim dos dias. Mas, se puder, que não posso, escolher, prefiro que sejam heterossexuais”. Pergunto, é esta uma posição defensável?

Gosto de pensar que não sou preconceituoso”, continua, “mas o mundo está longe de ser perfeito”. O que está a falhar nesta abordagem é que o mundo é também aquilo que fazemos dele e o autor ao publicar isto num jornal está, decididamente, a tornar o mundo um pouco menos perfeito, em especial para as pessoas, seus filh@s ou não, que não sejam heterossexuais.

Num tom muito mais egocêntrico, custa-me a descontinuidade desta…

Ver o post original 222 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.