O problema: Filiação religiosa e estratificação social

Para espíritos livres

WEBER, M.,1864-1920.  A ética protestante e o espírito do capitalismo.  Tradução Mário Morais.  São Paulo: Martin Claret, 2016.

Uma simples olhada nas estatísticas ocupacionais de qualquer país que possua uma composição religiosa diversificada traz à tona com marcante frequência  uma situação que diversas vezes provocou discussões na imprensa e na literatura católicas, (8) além dos congressos católicos na Alemanha. Tal situação é, dito em termos claros, o fato de que os líderes empresariais e detentores do capital, assim como os trabalhadores com maiores níveis de qualificação, e tanto mais o pessoal mais bem treinado técnica e comercialmente das empresas modernas, são, em esmagadora maioria, protestantes. (9)  Isso é uma verdade não apenas nos casos em que as diferenças de religião coincidem com aquelas de nacionalidade e, portanto, de desenvolvimento cultural, como no Leste da Alemanha, entre alemães e poloneses. O mesmo é mostrado em dados de filiação religiosa em quase…

Ver o post original 1.278 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.