BOB MARLEY: Guerreiro Rasta

A CASA DE VIDRO

Daniel Pereira

Um dos muitos méritos desta graphic noveldos argentinos Diego Agrimbau (roteiro) e Dante Ginevra (desenhos) está em sua capacidade de revelar a enorme dimensão social, espiritual e artística de Bob Marley. Nascido em 1945, numa Jamaica que lutava para se libertar do domínio colonial inglês, Bob Marley viveu apenas 36 anos, mas tornou-se uma figura de notoriedade e relevância mundial, a ponto de produzir milhões de seguidores. Isto não se deve somente ao seu talento como cantor, compositor e músico, mas à força e à resiliência de sua mensagem à humanidade.

Estátua no Estádio Nacional de Kingston

Reggae’s most transcendent and iconic figure, Bob Marley was the first Jamaican artist to achieve international superstardom, in the process introducing the music of his native island nation to the far-flung corners of the globe. Marley’s music gave voice to the day-to-day struggles of the Jamaican experience, vividly capturing not only the…

Ver o post original 1.187 mais palavras

Cícero denuncia Catilina

Ensaios e Notas

O que fazer quando um manipulador sanguinário conspira para dar um golpe, arrebatando o poder da República e te matar? Sem armas ou exércitos o orador romano Marcos Túlio Cícero (106–43 a.C) empregou seu mais poderoso recurso: as palavras.

Nos meados do século I Roma possuía um vasto território na bacia do Mediterrâneo e estava em franca expansão. Todavia, a tensão interna resultante de uma sociedade complexamente estratificada fragilizava a República. De um lado havia generais sedentos de poder, de outro o descontentamento social rampante.

Na época, a sociedade romana estava dividida de tal forma que as vestimentas, privilégios e protocolos tornavam patentes as diferenças. No topo ficavam os patrícios, que reuniam os senatores — as antigas famílias fundadoras de Roma que constituíam a classe senatorial, cujos ofícios restringiam-se à guerra e à agricultura — e equites — a classe enriquecida com o comércio. Quando os membros da classe econômica galgavam…

Ver o post original 562 mais palavras

O linchamento dos desgraçados

Ensaios e Notas

As reações violentas do Estado e da população contra movimentos populares com organizações sociais divergentes são capítulos amargos na história de qualquer país. Incidentes como o Ramo Davidiano em Wacco, o movimento giurisdavídico de Monte Amiata, o Contestado e a Guerra de Canudos no Brasil são incômodos, pois contaram com uma opinião pública que lincha. Digeridos em representações culturais, desde teatro, quadrinhos ou filmes, por vezes acabam idealizados posteriormente, dando uma consciência de moralidade.

Em tempos em que o devido processo legal vira letra morta, pós-verdade torna-se credos, a imprensa compromete-se com agendas obscuras  e a crueldade dissemina-se rapidamente pelas mídias sociais, é preciso ser prudente.

A crítica literária Walnice Nogueira Galvão (1999, pp.165-168) resume os sentimentos de antes e depois da tragédia de Canudos. Após a humilhante derrota da bem-equipada expedição de Moreira César pelos sertanejos  o Brasil urbano reagiu:

A celeuma provocada por mais essa derrota é…

Ver o post original 397 mais palavras

Veblen: a ostentação da classe ociosa

Ensaios e Notas

“Ostentação é comprar aquilo que você não quer, para mostrar pra quem você não gosta com o dinheiro que você não tem”. Esse aforismo anônimo sumariza acertadamente a ideia de Thorstein Veblen dos impulsos que movem o consumismo no livro A Teoria da Classe Ociosa, o qual publicado em 1899 se mantém incomodamente atual.

Os influencers nas redes sociais virtuais e a celebridades que direcionam o consumo no século XXI vindicaram as teses de Veblen acerca da ostentação.

Mais citado como um crítico social que um teórico da sociologia ou da economia —provavelmente pelo seu tom satírico — Thorstein Veblen integra uma análise macro, a sociedade, com explicações micro, a psicologia individual.

O autor

b144e113e2a060095f29e069b2f4aebb

Thorstein Bunde Veblen (1857 —1929) não teve uma vida fácil. Até mesmo sua biografia foi distorcida para ampliar sua marginalidade. Seu biógrafo Dorfman (1934) retratou-o como filho de agricultores noruegueses estabelecidos em Cato, Wisconsin que nunca aprendera o inglês…

Ver o post original 1.123 mais palavras

Coconut Curry Hummus

Love & Umami

Have we mentioned that we adore hummus?! On toast, in our buddha bowls, by the spoonful….hey, don’t judge! Hummus is such a common staple of ours, that we are always looking for new flavor combos to change it up. This creamy and delightful recipe was inspired by this Thai Coconut Curry hummus. We added coconut milk which brings a richness to the hummus and really makes the spices stand out. Quick tip: pour leftover coconut milk into a ziploc bag and freeze, this makes it easy to add to dishes later on. This recipe is so easy, requires very little prep, and is simple to make with a food processor or blender. Our Ninja food processor works great for hummus because it’s so convenient for small batches and storage.


Ver o post original

Justiça concede pensão vitalícia à ex-mulher de Teori

Os efeitos passam a valer do dia da morte do magistrado: 19 de janeiro

BÁRBARA LOBATO
O ex-ministro do STF Teori Zavascki (Foto: Alan Marques/Folhapress)

A presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Laurita Vaz, concedeu pensão vitalícia a Liana Maria Prehn Zavascki, ex-mulher do ministro Teori Zavascki, morto em acidente aéreo no dia 19 de janeiro. A concessão da pensão de caráter alimentício foi publicada no Diário Oficial da União na quarta-feira (7).

Teori foi ministro do STJ por quase dez anos.

Após a publicação da notícia, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) encaminhou nota afirmando que Teori se aposentara pela Corte, que a ex-mulher já recebia pensão alimentícia do ministro e que o valor da pensão alimentícia, agora convertida em pensão por morte, estará disponível “no portal da transparência quando do seu pagamento”.

Ver o post original

Inconstância – Viviane Ebuliani

Egocêntrico Caracol

#TextoPessoal04/03/2017 - Viviane Ebuliani.
Estou precisando distrair-me, sossegar, ler um bom livro e apenas envolver-me completamente em sua narrativa e personagens. Perder-me no vasto mundo da fantasia. Sinto que a cada dia que se passa, é mais “um dia” apenas. Um dia que não mais voltara. Queria tanto poder estar vivendo a vida dos meus sonhos neste instante, que é difícil respirar com tranquilidade. Nunca fui uma pessoa paciente. Não! Nunca fui. E conforme a monotonia do dia me consome, sinto-me desaparecendo aos poucos.  Só restam-me dúvidas, uma garrafa de vinho e desamores.
Ela não cessa.
Chove sem parar, e a chuva é minha única companhia.

000

Ver o post original