Bruno Alves: Sangre pela rua e quando chegar não se lave

Livre Opinião - Ideias em Debate

The Familiar Objects, de Rene Magritte

São Paulo era pura lama. Uma chuva fina durante o dia até mesmo quando o céu ficou cinza frio e logo em seguida roxo quente, mas eu já estava encharcado e exausto. Eu estava tão ansioso e quase não fui.

Desci na Sé com aquela brisa renovadora do centro no rosto. Nem chovia tanto (na vida real tudo é melhor do que na minha cabeça) e já estava escuro&vazio porque era tarde; apenas poucos moradores de rua sentados em papelões e conversando naquela rua de pedra – a ligação entre a estação e a catedral – e de repente uma SP ampla, amena e totalmente vazia. Então alguns caras apareceram na surdina e eu entrei em pânico sem motivo real, de maneira a dar uma corrida até o viaduto ligação da catedral ao Bixiga – perigo  constante nas ruas do centro. Vi mais uns…

Ver o post original 207 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s