Técnicas de sobrevivência

Máquina de Escrever

É entre as ruas de Manila (Filipinas) que Brillante Mendoza tem encontrado algumas das mais pungentes histórias pelas quais tem vindo a definir uma obra que o inscreve de forma destacada entre os maiores herdeiros de Lino Brocka, cineasta que dirigiu o seu olhar às vivências quotidianas do mundo filipino, sendo hoje reconhecido como uma figura de absoluta referência na cinematografia local. Revelado em 2005 com Masahista, filme que, tal como algum do cinema de Brocka ou do seu compatriota Auraeus Solito, levou o cinema filipino a retratar histórias e identidades queer, Brillante Mendoza ganhou sobretudo visibilidade através de uma série de presenças em grandes festivais. Mãe Rosa foi, de resto, a sua quarta longa-metragem a ser apresentada em Cannes, festival no qual em 2008 apresentou o magistral Serviço que, tal como este novo filme, partilha com o espectador o mundo de uma família de um bairro pobre…

Ver o post original 373 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.