Crítica: Terra de Minas (2015)

Pipoca Time

Michele Figueiredo

A Segunda Guerra Mundial deve ser o evento histórico que mais rende no cinema. Mais de 70 anos depois, entra ano, sai ano, tem filme com a temática. No final da semana passada, tivemos a estreia de Dunkirk, que narra uma das operações mais famosas da Grã-Bretanha. E no Oscar deste ano, entre os concorrentes à categoria de Melhor Filme Estrangeiro, estava a produção germânico-dinamarquesa Terra de Minas.

Terra de Minas traz um recorte bem diferente do que estamos acostumados a ver em filmes sobre a Segunda Guerra: a trama é sobre prisioneiros de guerra alemães que são treinados para desarmar minas (instaladas pela Alemanha) nas praias da Dinamarca. Os soldados são todos jovens, alguns recém-saídos da adolescência. O trabalho deles consiste em desarmar as minas com as próprias mãos, após passar por um breve período de tratamento com oficiais dinamarqueses, que não escondem o desprezo…

Ver o post original 316 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s