Ser emigrante não me afetou na moda, ser mulher e mãe de família é um estigma maior

Web Magazine 2000

A mesma figura de miúda reguila de quando apareceu nos primeiros desfiles de semanas da moda. Recebe o DN no seu ateliê-loja na Rua da Boavista, não confundir com Avenida da Boavista, no Porto. Corpo pequeno enroscado na cadeira, olhos castanhos, vivos, sorridente, mistura peças suas com o pronto-a-vestir, combinações às vezes improváveis que também aconselha às clientes. Roupa prática, umas calças de ganga e uns ténis que conjuga com o casaco inspirado no Snoopy e a camisa da coleção 8-bits, com base nos jogos de computadores dos anos 1980. Filha de emigrantes na Venezuela, país que a formou quase até à maioridade e a marcou com um sotaque e um nome que podem confundir os mais distraídos. É e sente-se bem portuguesa.

from Diário de Notícias – Artes http://ift.tt/2uaC9l4

Ver o post original

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s