Um cadáver no exílio

carmattos

O roubo e sumiço do cadáver embalsamado de Evita Perón, três anos depois de sua morte, é uma das histórias mais extravagantes e mórbidas a envolver o peronismo. Militares que depuseram Juan Perón sequestraram o corpo para apagar o mito, mas só fizeram reforçá-lo. “Onde está o corpo de Evita?” virou uma pergunta obsessiva dos argentinos por 20 anos, até que fosse trasladado de volta à Argentina depois de passar por um cemitério da Itália e pela casa de exílio de Perón em Madri.

EVA NÃO DORME aborda esse assunto de maneira concisa, nos moldes de uma peça teatral dividida em três atos. No primeiro, testemunhamos os cuidados com que o embalsamador prepara o corpo de Evita para o velório e suas reflexões fisiológicas sobre a expressão dela. No segundo, o tumultuado transporte do ataúde no dia do roubo. No terceiro, passado já em 1970, vemos o general e ex-presidente…

Ver o post original 202 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s