Sete máximas pragmatistas no núcleo da pragmática das transformações, por Francis Chateauraynaud

split-track

Por Francis Chateauraynaud

Tradução Diogo Silva Corrêa

Sete máximas pragmatistas no núcleo da pragmática das transformações*

O pragmatismo vira as costas, de uma vez por todas e de forma resoluta, a um conjunto de hábitos inveterados caros aos filósofos de profissão. Ele escapa da abstração de tudo o que torna o pensamento inadequado – soluções apenas verbais, más razões a priori, sistemas fechados e confinados – e de tudo o que é supostamente absoluto ou estipulado a priori para ir na direção do pensamento concreto e adequado, na direção dos fatos, da ação eficaz. O pragmatismo rompe, assim, com o temperamento do empirismo atual, assim como rompe com o temperamento racionalista. O ar fresco, a natureza com todo o universo de possíveis que ela encerra, eis o que significa o pragmatismo ao tomar posição contra o dogma, contra as teorias artificiais, contra as falsificações de caráter teleológico que se pretende…

Ver o post original 4.522 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.