crónicas da xávega (268) — ahcravo gorim Blog

fraca gente escondem o rosto o dizerem-se quantos por detrás nunca se sabe muitos o silêncio encobrir pode na ânsia de insultar rebaixam o nome da terra das gentes deixam como vermes rasto peçonhento fraca gente esta vontade de a sacudir como a areia das redes (torreira; 2015)

via crónicas da xávega (268) — ahcravo gorim Blog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.