O Deus medieval do novo ministro e a longa noite em que mergulhamos | Brasil 247

A colunista Lúcia Helena Issa traça um perfil do novo ministro da Educação, lamentavelmente mais um nome indicado por Olavo de Carvalho a Jair Bolsonaro; “Vélez é um completo desconhecido no meio educacional. Tem algumas obras publicadas com pouca repercussão e escreve de maneira confusa, chata e pedante, mas deixa muito clara a sua afinidade com projetos “relevantes” como o Escola sem Partido. O sujeito usa em seus artigos termos sectários e rasos como ‘petralha’, típico de torcedor barulhento de um time ideológico e não de um grande filósofo”, escreve ela

Fonte: O Deus medieval do novo ministro e a longa noite em que mergulhamos | Brasil 247

‘Se cumprir sua missão, MP fará tudo para barrar Escola sem Partido’, diz procurador | Brasil 247

Um dos coordenadores do coletivo Transforma MP, o procurador Gustavo Roberto Costa, avaliou nesta sexta-feira, 23, que o Ministério Público deverá utilizar todos os instrumentos previstos na Constituição para barrar os excessos anunciados pelo governo eleito de Jair Bolsonaro (PSL); “Pautas como mudança nas regras da Previdência, a criminalização de movimentos sociais, (se opor ao) Escola sem Partido, expansão do agronegócio em detrimento de terras tradicionais indígenas e degradação do meio ambiente são pautas que o MP terá que abraçar para impedir que estes retrocessos ocorram”, disse Costa em entrevista ao jornal El País

Fonte: ‘Se cumprir sua missão, MP fará tudo para barrar Escola sem Partido’, diz procurador | Brasil 247

“Acham que sou uma preta metida e abusada”: história de Kenia Maria — Brasilidade Negra

Ela está entre os 100 negros mais influentes do mundo Kenia Maria é a primeira defensora dos Direitos das Mulheres Negras pela ONU Mulheres Brasil, está entre os 100 negros mais influentes do mundo e será homenageada em Nova York. Quando ela tinha 8 anos, tomou o primeiro tapa na cara de um menino. O bofetão veio do […]

via “Acham que sou uma preta metida e abusada”: história de Kenia Maria — Brasilidade Negra

“O racismo ocorre toda vez que vou ao banco e a porta sempre para quando vou passar” — Brasilidade Negra

Neste ano, já há mais de 200 ocorrências por injúria racial. Caso mais recente foi em mercado. “O racismo ocorre toda vez que vou ao banco e a porta sempre para quando vou passar. Ela não tem detector de metal, tem detector de melanina”. O relato indignado é do contador Kim Fortunato, de 28 anos. […]

via “O racismo ocorre toda vez que vou ao banco e a porta sempre para quando vou passar” — Brasilidade Negra

Pesquisadora investiga construção do racismo em jornais do século 19 — Brasilidade Negra

À luz da análise do discurso, linguista examinou anúncios de escravos e textos pró-abolição. Com isso, ela notou que a construção da nossa linguagem foi racista e perdura até hoje Nos anúncios de escravos do jornal Correio Paulistano, que circularam nas edições de 1874, a massiva presença de termos que descreviam o escravizado com riqueza […]

via Pesquisadora investiga construção do racismo em jornais do século 19 — Brasilidade Negra