Moinho do tempo – Cora Coralina – Revista Prosa Verso e Arte

Pé de meia sempre vazio. Vazios os armários Seus mistérios desmentidos. Fechaduras arrebentadas, arrancadas. Velhas gavetas de antigas mesas de austeras salas vazias. Os lavrados que guardavam, vendidos, empenhados, sem retorno. As velhas gavetas guardam sempre um refugo de coisas que se agarram às casas velhas e acabam mesmo nos monturos. As velhas gavetas têm […]

Fonte: Moinho do tempo – Cora Coralina – Revista Prosa Verso e Arte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.