Rebordo amordaçado do luar — O poeta e os outros poemas

Rebordo amordaçado do luar aquilo mesmo que senti me é claro. alheia é a alma antiga; o que me sinto chegou hoje, de longe uma onda que morre enrolada n’areia fina que se move, espuma-se… não há nuvens entre mim e o céu as estrelas brilham e adormecem Maria imóvel baila nos pensamentos e adormece […]

Rebordo amordaçado do luar — O poeta e os outros poemas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.