alarido — bálsamo benigno

E veio a noite do alarido. A noite clara, a noite fria,com perfurados calafrios. A noite com punhais erguidose olhos devassando perigos. A noite cava, com ladridosde cães atiçados. E espias. A noite com tremores lívidose com membros estarrecidosdiante das ovelhas suicidas. A noite de mármore e níqueldespedaçando-se em tinidosno cristal violento das criptas. Montanhas […]

alarido — bálsamo benigno

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.