Empresas de deputados e senadores devem 372 milhões de reais ao INSS — Brasil, o país dos Bilhões em corrupção

Congressistas que debatem a reforma da Previdência são sócios ou administradores de companhias que devem ao INSS. Saiba quem são os 86 parlamentares Jefferson Rudy/Agência Senado O senador e ex-presidente Fernando Collor está no topo da lista: cinco empresas ligadas a ele devem 112 milhões de reais ao INSS Por Piero Locatelli, Ana Magalhães e […]

via Empresas de deputados e senadores devem 372 milhões de reais ao INSS — Brasil, o país dos Bilhões em corrupção

A verdade do Vaticano – O meu livro é um mapa da corrupção no Vaticano. Todo o dinheiro recolhido fica para os cardeais, em vez de ir para os pobres – Curiosidades em Português

A verdade do Vaticano – O meu livro é um mapa da corrupção no Vaticano. […]

Fonte: A verdade do Vaticano – O meu livro é um mapa da corrupção no Vaticano. Todo o dinheiro recolhido fica para os cardeais, em vez de ir para os pobres – Curiosidades em Português

Na depressão econômica de Temer, 1,3 milhão deixaram planos de saúde | Brasil 24/7

Levantamento do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) divulgado nesta terça-feira, 24, mostra que a pior crise econômica do Brasil, provocada pela ascensão de Michel Temer à Presidência por meio de um golpe parlamentar, fez com que 1.370.000 pessoas abandonassem planos de saúde; em comparação com 2015, os usuários de planos de saúde reduziram 2,8%; região que mais trocou planos pelo atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) foi a Sudeste; apenas no estado de São Paulo, 630,3 mil beneficiários deixaram de contar com o plano de saúde; segundo a entidade, o trágico cenário econômico e a queda do nível de emprego no país, com a redução de 1,3 milhão de postos de trabalho formais em 2016, são as principais causas dos brasileiros deixarem de contar com o plano de saúde

Fonte: Na depressão econômica de Temer, 1,3 milhão deixaram planos de saúde | Brasil 24/7

Diário do Centro do Mundo Criticado por seu guru, Doria é o prefeito que conseguiu deixar São Paulo mais cinza e mais burra. Por Kiko Nogueira

  João Doria passará para a história como o prefeito que conseguiu a proeza de deixar São Paulo mais feia e mais estúpida. Não há dia em que Doria não faça alguma idiotice midiática em sua hiperatividade estéril. Esgotou o guarda roupa com seu fetiche por uniformes de operários. Já se fantasiou de gari, pedreiro, jardineiro, operador de motor de compressão. A última jogada populista foi sair de cadeirante, uma ofensa a quem não tem como se locomover com as pernas. Doria é deficiente, mas de sensibilidade e de caráter. Seu estilo não tem nada a ver com privatizar a capital paulista e dar uma “eficiência” à máquina estatal. Isso é blablabla. Ele é um lobista. À frente do grupo Lide, especializou-se em organizar almoços e jantares juntando políticos e empresários — o que tentou fazer na prefeitura e recuou — e gincanas em resorts baianos. Parece que ele está “trabalhando”. À frente de uma megalópole, o resultado é um palhaço pagando mico para gente que não aguenta mais assistir a um show vagabundo que não leva a nada. A ideia de descolorir a Avenida 23 de Maio é antológica. O secretário de Cultura se confessou abismado pelo fato de a via ter ficado “muito cinza”. Temos que conviver com “gestores” — palavra que foi destruída pelo mau uso dos marqueteiros — que ficam embasbacados diante de uma lei universal e inegável, por enquanto: se você jogar tinta cinza sobre uma superfície, ela vai ficar cinza. Doria, de quebra, está chamando a atenção para a obra de seu antecessor. Quem não tinha notado como a 23 havia ficado colorida e até bonita agora depara com um pesadelo da cor da poluição de um lugar inóspito. A sensação, agora, é de desolação. A grande ideia desses farsantes é criar um museu da arte urbana. Ora, se você vai confinar pinturas de rua, está desfigurando-as. É como vender um zoológico como um safári na África. É uma administração permanentemente voltada para os baixos instintos e a subestimação da inteligência da população. Nem o guru de Doria, citado por ele em seu discurso de posse, o leva a sério. Em boa entrevista à BBC Brasil, Robert Greene, autor de “As 48 Leis do Poder”, criticou aqueles que se elegem com o discurso do “não político”. “Não acho que pessoas assim vão ter muito sucesso porque a política é um ofício, uma profissão e envolve compromisso e anos de aprendizado sobre como construir alianças”, afirmou, referindo-se também a Donald Trump. Sobre o alcaide paulistano, deu-lhe um conselho. “Diria que em vez de se fantasiar de gari, de pedreiro, que ele entregue mais. Se fantasie menos e entregue mais. Precisa se comprometer e ser muito prático – e não viciar na atenção que você acaba tendo ao dizer coisas ousadas”, declarou. “Eu tendo a pensar que pessoas assim não tem o controle de suas ousadias”. João Doria sequer entendeu o livro de Greene — se é que leu, mesmo. Em se tratando desse personagem, tudo é mentira e mistificação. A única verdade é que ele se acabou antes do que se esperava.

Fonte: Diário do Centro do Mundo Criticado por seu guru, Doria é o prefeito que conseguiu deixar São Paulo mais cinza e mais burra. Por Kiko Nogueira

E o Brasil virou a casa da hipocrisia | Nossa Política

Há erros no roteiro dos destinos do Brasil, um país que se tornou a casa da hipocrisia; onde fingir é o mais apreciado dos verbos.

Fonte: E o Brasil virou a casa da hipocrisia | Nossa Política

O show do ano pode estar só começando | Brasil 24/7

“Na sociedade do espetáculo, investigações de assassinato nem sempre têm relação com fatos e provas, em particular quando o resultado pode produzir um impacto político gigantesco”, escreve o colunista do 247 Paulo Moreira Leite; para PML, “iniciadas como teorias conspiratórias de botequim, as suspeitas criminais sobre a morte de Teori ganharam credibilidade depois que foram referendadas por familiares do ministro”; articulista diz que “se a hipótese de crime for confirmada, não há dúvida sobre o que fazer: processar e julgar. Mas, se a investigação indicar que foi apenas um acidente, tudo ficará complicado num país que não está habituado a auto-crítica, onde autoridades e jornalistas não costumam assumir seus erros, por mais lamentáveis que tenham sido”

Fonte: O show do ano pode estar só começando | Brasil 24/7

São sinceras as lágrimas no enterro de Teori? | Brasil 24/7

Repare bem na imagem e nos personagens; no canto esquerdo, Alexandre de Moraes, que sonha com a vaga de Teori Zavascki no Supremo Tribunal Federal; no canto direito, José Serra, que foi delatado pela Odebrecht por ter recebido R$ 23 milhões na Suíça, em 2010; a seu lado, Eliseu Padilha, também delatado, que disse que o governo ganhou tempo com a morte de Teori, pois a homologação das delações irá demorar um pouco mais; no centro, Michel Temer, que também foi delatado por pedir R$ 10 milhões à empreiteira em pleno Palácio do Jaburu; segundo pesquisa do Instituto Paraná Pesquisas, 83% dos brasileiros creem em atentado

Fonte: São sinceras as lágrimas no enterro de Teori? | Brasil 24/7