O cotidiano em Nottingham, a cidade mais pobre da Inglaterra

O cotidiano em Nottingham, a cidade mais pobre da Inglaterra

Enviado por luisnassif, qua, 05/06/2013 – 14:02

Por Demarchi

Da BBC Brasil

Agiotas e pijamas fazem o dia a dia da cidade mais pobre do Reino Unido

Muitos associam a cidade de Nottingham, no centro da Inglaterra, à lenda de Robin Hood, o arqueiro infalível que assaltava os ricos que passavam pelos bosques ao norte da cidade para dar o dinheiro roubado aos pobres. Ou, ainda, ao romance O Amante de Lady Chatterley, de D. H. Lawrence, que retrata a região.

No entanto, Nottingham tem ultimamente ganhado notoriedade na Grã-Bretanha por um outro motivo: segundo os dados mais recentes do Escritório Nacional de Estatísticas do país, os moradores de Nottingham tem a menor renda líquida, descontados os impostos, de todo o país.

A renda média anual das pessoas na Grã-Bretanha, incluindo-se aí os benefícios sociais, é de 16.034 libras (cerca de R$ 52.152). Em Nottingham é de 10.834 libras (aproximadamente R$ 35.238).

Um dos locais onde a realidade de pobreza de Nottingham pode melhor ser vista é o bairro de Meadows, ao sul do centro, onde proliferam conjuntos habitacionais para pessoas de baixa renda.

Desespero

Não é surpreendente que a área de habitações populares seja um território fértil para ação de agiotas. Em Meadows, eles são os melhores amigos das pessoas na vizinhança.

Sharon Mills, do Meadows Partnership Trust, uma organização financiada pelo governo que oferece ajuda aos residentes daquela área, explica o porquê.

“Se você está desesperado com os filhos que não comem há três dias e alguém bate à sua porta oferecendo um empréstimo, ele é visto como um Messias”, disse.

Mills descreve essas pessoas como uma verdadeira “alcateia”, dispostas a recorrer à intimidação para recuperarem seu dinheiro.

“Eles sabem até mesmo o dia em que as pessoas recebem seus salários e assim vem literalmente botando a porta a baixo em alguns casos”.

Às três da tarde de pijama

Muito pouca gente no bairro pode se dar ao luxo de ter algum divertimento.

Ao longo dos anos, Meadows tem ganhado uma reputação de ambiente violento devido à presença de drogas e álcool.

Porém, mais que isso, o que parece ser uma mais constante é a falta de dinheiro dos moradores.

“Veja, são três da tarde e você vê gente por todo lado de pijama. Isso é uma desolação”, afirmou Rachael Oldfield, uma mãe solteira de 35 anos que trabalha meio período como auxiliar administrativa.

Rachael conta que seus momentos mais difíceis são quando chega o dia do pagamento.

“Sempre estou esperando por este momento, planejando me divertir, sair para jantar com amigos. Porém, tenho que cancelar os planos, porque senão gasto todo meu dinheiro.”

Sonhando com o sol

Rachael recebe seu salário no final do mês. No início do mês seguinte já não tem quase nada: seu pagamento se foi para pagar todas as contas. Ela sobrevive com aproximadamente 140 libras (cerca de R$ 455) em benefícios pagos pelo governo, o que é garantido pelos impostos que paga. Além disso, recebe outras 134 libras (aproximadamente R$ 435) como benefício para os filhos.

Ela deve 2,5 mil libras (pouco mais de R$ 8,1 mil) em contas de água e luz, que está pagando aos poucos.

Ainda assim, Rachael não se considera uma pessoa sem sorte. Sua filha vai bem na escola e seu filho joga futebol.

Outro sinal evidente da pobreza em Meadows está na escassez de qualquer tipo de luxo.

Adbul Haq sofre de diabetes e artrite e sobrevive com a pensão do governo por invalidez. Sonha como muitos outros em viajar para outros lugares.

“Não saio de férias há seis anos. Adoraria ir a algum lugar quente, mas não é possível.”

Esperança

Recentemente foi inaugurado um banco de comida que ajuda as necessidades básicas dos mais pobres. O resultado da ação diminuiu os roubos de pão e leite nos supermercados.

Mas nem todos são otimistas. David Gretton, que trabalha em um órgão do governo que oferece aconselhamento aos moradores do bairro, teme o impacto dos cortes nos benefícios sociais que o governo autorizou mês passado.

“Em três ou quatro meses vamos ver mais oficiais de justiça, porque as pessoas deixaram de pagar impostos”, lamenta Gretton.

Sharon Milles crê que os cortes de benefícios deste ano tornarão a vida dos residentes de Meadows ainda mais dura.

Ainda assim, o bairro consegue pequenos espaços de esperança. Em um centro comercial da área pode se ver um cartaz gigante que informa que Meadows é finalista de um concurso nacional de horticultura.

Se as plantas se demonstrarem tão resistentes como os residentes do bairro, seguramente Meadows levará o primeiro lugar.

MORDOMIAS AÉREAS ABALAM A IMAGEM DO STF

MORDOMIAS AÉREAS ABALAM A IMAGEM DO STF

:

 

Em quatro anos, presidente e ministros do STF gastaram R$ 2,2 milhões em recursos públicos para realizar voos internacionais com suas mulheres, em viagens durante o período de férias no Judiciário e de retorno para seus Estados de origem; em períodos nos quais estava licenciado do tribunal em razão de problemas de saúde, Barbosa fez 19 viagens; eles também têm direito a diárias de cerca de R$ 1 mil para gastos suplementares

 

20 DE MAIO DE 2013 ÀS 07:50

 

247 – A sumidade máxima do Judiciário brasileiro tem gozado de verdadeiras regalias com o uso de recursos públicos. Tudo sob respaldo da lei, mas com práticas bem questionáveis em outros poderes. Segundo um levantamento feito pelo Estadão, com base em dados oficiais publicados no site da Corte, Joaquim Barbosa e outros ministros do Supremo Tribunal Federal usaram recursos, no período entre 2009 e 2012, para realizar voos internacionais com suas mulheres, em viagens durante o período de férias no Judiciário, chamado de recesso forense, e em de retorno para seus Estados de origem.

Em quatro anos, as mordomias custaram R$ 2,2 milhões aos cofres públicos. De 2009 a 2012, o Supremo destinou R$ 608 mil para a compra de bilhetes aéreos para as esposas de cinco ministros, em 39 viagens: Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski – ainda integrantes da Corte -, além de Carlos Ayres Britto, Cezar Peluso e Eros Grau, hoje aposentados.

Além das passagens, os ministros recebem verba para custear gastos com hospedagem, locomoção e alimentação no período fora de Brasília, calculada em cerca de R$ 1 mil.

O gasto é permitido por uma resolução de 2010. O ato diz que as passagens devem ser de primeira classe e que esse tipo de despesa deve ser arcado pela Corte quando a presença do parente for “indispensável” para o evento do qual o ministro participará.

O atual vice-presidente do Supremo foi o mais “esbanjador”. Ricardo Lewandowski usou R$ 43 mil nesses anos.

No caso do presidente do STF, Joaquim Barbosa não fica longe disso. Utilizou passagens aéreas pagas pela Corte em períodos nos quais estava licenciado do tribunal em razão de problemas de saúde. Ele sofre de dores crônicas na coluna e se submete a diversos tratamentos. Barbosa fez 19 viagens para quatro cidades nos anos de 2009 e 2010 em datas nas quais estava afastado de seus trabalhos na Corte.

Em períodos de recesso, antes de assumir o comando do tribunal, foram registradas 27 viagens ao Rio, São Paulo, Fortaleza e Salvador. Ele também tem o hábito de usar passagens pagas com recursos públicos para passar finais de semana em sua residência, no Rio.

Em viagem recente a San José, na Costa Rica, Barbosa recebeu quatro diárias. O deslocamento aéreo foi feito em avião da Força Aérea Brasileira (FAB). Em abril, ele esteve nos Estados Unidos para dar uma palestra a estudantes da Princeton University, em New Jersey, e participar de evento da revista Times. O portal do Supremo registra o pagamento de seis diárias internacionais, num total de R$ 6.023,70.

A reportagem do Estadão promete despertar novos embates com Joaquim Barbosa. No início de março, Barbosa chamou de “palhaço” e mandou “chafurdar no lixo” o repórter do jornal Felipe Recondo. Tudo porque ele tentava fazer perguntas sobre críticas feitas a Barbosa por entidades que representam os magistrados. As associações se incomodaram com a declaração do presidente do Supremo em uma entrevista coletiva, quando ele disse que os juízes brasileiros têm cultura pró-impunidade.

Mas Barbosa se revoltou e não quis responder. Na presença de jornalistas de vários veículos, se voltou para Recondo, aos gritos: “Me deixa em paz, rapaz. Me deixa em paz. Vá chafurdar no lixo como você faz sempre”.

 

 

COMENTÁRIOS

95 comentários em “Mordomias aéreas abalam a imagem do STF”

  1. Parem de chafurdar na lama 20.05.2013 às 13:53

    Pois senão acabarão encontrando muita sujeira, sem falar na dobradinha dos alugueis, ou seja, quando marido e mulher são servidores e os dois recebem o auxílio.

  2. Marco Alexandre 20.05.2013 às 13:41

    Se todos que gastam o dinheiro público fossem como Joaquim Barbosa eu teria certeza que nosso país seria outro. Tem prerrogativa legal para usufluir do benefício? Se tem, então fica difícil… O pior do Servidor Público é aquele que usa de artimanhas políticas para bel prazer! E Isso é o que mais acontece em nosso país. Com certeza vão encontrar mais alguma coisa contra o STF, este é o preço de cutucar o ninho das abelhas. Infelismente a profissão de repórter é chata mesma… Mesmo assim, são os grandes profissionais que ajudam nossa democracia.

  3. cesar 20.05.2013 às 13:38

    É ESSE O “grande heroi” MIDIATICO? É ESSE O REPRESENTANTE DO PIG/GLOBAL kkkkkkkk A MAXIMA SEMPRE VERDADEIRA” : Você pode enganar alguns algum tempo, mais não enganará todos todo tempo”> depois do banheiro miliorário, viagens e outras cositas mais!!!!QUE VEXAME BARBOSA O HOMEM QUE QUER COLOCAR OS OUTROS NA CADEIA POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA?!!!!

  4. E AGORA, CADÊ A MIDIA? 20.05.2013 às 13:10

    Até agora, não vi nenhuma manchete na VEJA, FOLHA ou GLOBO, como vocês vão reagir a tal matéria? vão esconder mais uma vez? Vocês são pagos para informar ou emitir as suas opiniões? Vocês que fazem parte dessa mídia parcial, já se perguntatam porque suas assinaturas caíram tanto? No mesmo caminho caminha os Jornais da GLOBO, o JORNAL NACIONAL, continua com queda de audiência, sabe por que? Mexeu com DILMA/LULA, mexeu com o povo!

  5. cacadô de 90 mil 20.05.2013 às 13:06

    E Barbosa foi contra a criação de novos tribunais federais. Dois pesos, duas medidas.

  6. ZE 20.05.2013 às 13:06

    Moralista do Pau podre. Eai Ministro Barbosa.!!!!

  7. Sans 20.05.2013 às 12:54

    E, será que a Globo vai noticiar isto como noticia as coisas ruíns do PT?

  8. Henrique 20.05.2013 às 12:19

    PORQUE SERÁ QUE GOSTAM DO LEWANDOWSKI!? SERÁ PORQUE “todo mundo votou com a faca no pescoço”! – SÃO PAULO – O ministro do STF (Supremo Tribuna Federal) Ricardo Lewandowski admitiu em conversa telefônica testemunhada pelo jornal “Folha de S. Paulo” que “a tendência era amaciar para o [ex-ministro José] Dirceu” no julgamento do mensalão. Além disso, reclamou de suposta pressão da mídia no resultado do caso: “a imprensa acuou o Supremo”. Único ministro a divergir do relator, Joaquim Barbosa, quanto à acusação contra Dirceu de formação de quadrilha, Lewandowski afirmou, segundo o jornal, que “todo mundo votou com a faca no pescoço”. Em relação à divulgação da troca de mensagens por computador entre ele e a ministra Cármen Lucia, o ministro do STF, de acordo com o jornal, lembrou que a repercussão do episódio mudou o rumo das votações. “Você não tenha dúvidas”, disse na conversa telefônica

  9. Pinto 20.05.2013 às 12:01

    Enquanto Barbosa gastou catorze mil e Fux pouco mais de um mil, Lewandowiski, o queridinho dos petralhas gastou quarenta e três mil, ou seja, três vezes mais que o primeiro( Barbosa) e quarenta e três vezes mais que o segundo(Fux), ambos os mais odiados da petralhada.

  10. Henrique 20.05.2013 às 11:58

    Pois é, primeiro falaram do banheiro de ouro, agora as viagens. Tudo com o nosso dinheiro.

“Quando a perícia pega um trabalho, ela não olha de quem é”

do Boilerdo de Betho
 
 

:

 
A pedido da defesa do filho de Eike Batista, desembargadores descartaram a perícia de Hélio Martins Júnior por “violação da imparcialidade”; ele atestou que o estudante dirigia a 135km/h, no volante de seu Mercedes SLR McLaren, na Rodovia Washington Luis, quando atropelou e matou um ciclista; “Quando a perícia pega um trabalho, ela não olha de quem é”, disse.
 
247 – Depois de atropelar e matar um ciclista no volante de seu Mercedes SLR McLaren, Thor Batista pode sair ileso. Isso porque o laudo da perícia que atestava que o filho do empresário Eike Batista estava em alta velocidade quando matou Wanderson Pereira de Souza, em março de 2012, foi retirado do processo a que ele responde por homicídio culposo (sem intenção de matar), nesta quinta-feira (21), de acordo com o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.
A pericia havia concluído que o estudante dirigia a 135km/h, na Rodovia Washington Luis, quando atropelou o ciclista. O documento foi apresentado em uma audiência, em 13 dezembro do ano passado, por um perito do Instituto Criminalista Carlos Éboli (ICCE).
Mas a defesa alegou que houve violação da imparcialidade por causa de contatos entre o perito Hélio Martins Júnior e a promotora Simone Paiva Motta – o que motivou os desembargadores Luiz Felipe Haddad, Antônio Carlos Bittencourt e Denise Vaccari, da 5ª Câmara Criminal, a determinar o descarte do laudo.
A decisão é hoje contestada por especialistas da área e pelo próprio perito do caso.
“Nunca passei por isso. Sei que fiz um trabalho sério, acadêmico, de pesquisa. E não tive grande contato com a promotora. As pessoas têm comentado, me apoiado. Estou tranquilo, faria tudo novamente. Quando a perícia pega um trabalho, ela não olha de quem é. Sigo muito calmo, aguardando os próximos acontecimentos”, disse Hélio Martins Júnior ao Globo.