A casa caiu para a BBOM. Justiça manda fechar pirâmide.

 Acerto de Contas

A casa caiu para a BBOM. Justiça manda fechar pirâmide.

Thursday, July 11, 2013, 8:55 am

ECONOMIA

Depois do fechamento da Telexfree por parte da justiça, chegou a vez de outra pirâmide disfarçada de empresa de Marketing Multinível ser fechada pela Justiça: a BBOM.

BBOM é uma pirâmide que vende rastreadores para carros como disfarce.

Segundo estimativas, 300 mil pessoas já estavam no negócio. A Justiça congelou R$ 300 milhões, com o intuito de remunerar aqueles que entraram por último, minimizando as perdas.

O que impressiona é a capacidade de proliferação deste tipo de negócio sem o menor controle das autoridades. E também como é fácil recrutar novas pessoas para este golpe, mesmo com especialistas alertando.

Ainda temos outras, como a “espetacular” Priples, que paga 60% ao mês de retorno. Um negócio mais rentável que o tráfico de drogas.

Deve ser a próxima.

Mas confesso que preferia que este negócio fechasse por si só, por falta de recursos. Com o fechamento por parte da justiça, ainda temos que assistir ao povo da Telexfree falar em perseguição.

Haja paciência.

E por falar em pirâmides, amanhã participo de um debate sobre o assunto no programa Opinião Pernambuco, na TV Universitária, às 19:30h.

Anúncios

ATÉ QUANDO?

ImagemAté quando esta bagunça vai continuar? Fico preocupado, é óbvio, com a manipulação da mídia golpista em cima das pessoas. Mas fico mais preocupado ainda, com a manipulação dos “pastores” em seus rebanhos, em nome de Jesus. Como o povo brasileiro é inculto e precisa de muletas religiosas para expiar as suas culpas… E, desde quando, uma marcha dita cristã, resolve vaiar a nossa presidenta e aplaudir uma pessoa como o Feliciano? Digo e repito: está passando da hora de decretar o fim da isenção tributária em cima destes estelionatários da fé… Se eu pago meus impostos em dia, qual o motivo das igrejas não pagarem? O enriquecimento de Edir Macedo, Malafaia, Valdomiro e semelhantes é uma afronta ao trabalhador brasileiro! ISTO TEM QUE ACABAR DE UMA VEZ POR TODAS!

EIS O AMIGO DO FELICIANO!

Pastor Marcos é flagrado em conversas ‘picantes’ com fiéis de sua igreja

  • Escutas foram autorizadas pela Justiça

O GLOBO, COM RAFAEL SOARES, DO EXTRA (EMAIL·FACEBOOK·TWITTER)

Publicado:22/05/13 – 13h23

O pastor com o uniforme da Secretaria de Administração Penitenciária -
Foto: Divulgação

O pastor com o uniforme da Secretaria de Administração Penitenciária – Divulgação

RIO – Em escutas autorizadas pela Justiça, que já estão sendo investigadas pela polícia, o pastor Marcos Pereira é flagrado em conversas picantes com fiéis da Assembleia de Deus dos Últimos Dias. Em uma das quatro conversas, o pastor, antes de se despedir de uma fiel que falava com ele do celular de seu carro, avisa: “Tô com saudade do seu rabo”.

O pastor foi preso no último dia 8 acusado de dois estupros de fiéis. A polícia ainda investiga se o pastor estuprou outras 20 mulheres que moravam na igreja.

Em outro diálogo, uma mulher insinua que “o pastor ia gostar” de uma lingerie que ela usou: “Ontem coloquei um negócio muito legal que o senhor ia amar, eu acho”, ela diz. Marcos ri e avisa: “Fica ligada, fica ligada”. A mulher tranquiliza o pastor: “Mas era por baixo”. Em depoimentos à polícia, vítimas do pastor afirmaram que ele mandava que fiéis fossem a seu gabinete na igreja sem roupas íntimas.

O apartamento na Avenida Atlântica, em Copacabana, onde, segundo vítimas, o pastor realizava orgias com fiéis, também é mencionado em uma das escutas. Na conversa com uma fiel, ele combina a ida dela ao local e diz que ela pode levar outra mulher, “aquela sem vergonha, a Fabiana”.

Uma fiel também se oferece para ajudar o pastor a tomar banho: “Vem embora logo”, responde ele.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/pastor-marcos-flagrado-em-conversas-picantes-com-fieis-de-sua-igreja-8464508#ixzz2U2wBGWT6 
© 1996 – 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Marco Feliciano usa mandato em benefício de suas empresas e igreja

Marco Feliciano utiliza a cota parlamentar em atividades ligadas às suas empresas e emprega pastores da congregação dele

 

Helena Mader

Publicação: 09/03/2013 06:09 Atualização:

 (Bruno Peres/CB/D.A Press - 7/3/13)  

O deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP), que esta semana assumiu a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) em meio a uma saraivada de críticas, usou o mandato parlamentar em benefício de suas empresas e das atividades de sua igreja. Além de destinar verbas públicas para seus negócios particulares, ele paga salário a um funcionário fantasma, que na verdade trabalha em um escritório de advocacia de Guarulhos. Essa firma recebeu R$ 35 mil da cota parlamentar do deputado desde que ele tomou posse. Feliciano também repassou recursos públicos ao escritório de outro advogado, que o defendeu em um processo eleitoral às vésperas do pleito. O gabinete 254, no Anexo 4 da Câmara, é quase uma filial da Assembleia de Deus Catedral do Avivamento: o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias emprega cinco pastores da congregação que ele preside, e ainda cantores de música gospel que trabalharam na gravação de seu CD. Além de deputado, pastor e empresário, Feliciano também é músico.

Personalidade de sucesso no mundo gospel, e requisitado para palestras e pregações em todo o país, o parlamentar é dono de dois negócios: a Marco Feliciano Empreendimentos Culturais e Eventos Ltda. e a Tempo de Avivamento Empreendimentos Ltda. Em 2008, a primeira empresa foi contratada pela Nettus Criação de Eventos, uma firma gaúcha, para que o pastor se apresentasse em São Gabriel, no Rio Grande do Sul. Ele seria a grande estrela da festa, que reuniu ainda cantores e outros pastores evangélicos. A empresa contratante repassou o dinheiro a Feliciano, mas ele não compareceu. Os representantes da Nettus recorreram à Justiça e o processo se arrasta até hoje na 2ª Vara Cível da Comarca de São Gabriel. Os donos da empresa lesada pedem R$ 950 mil de indenização.