Planejada pelo Brasil, “importação” de médicos é fenômeno mundial

 para leitura – RSS

Planejada pelo Brasil, “importação” de médicos é fenômeno mundial

Thursday, July 11, 2013, 10:58 am

CULTURA

DIÁRIO DO CENTRO DO MUNDO

PAULO NOGUEIRA

Em uma década, o Reino Unido conseguiu aumentar consideravelmente o número de médicos que atuam no país. O índice de dois profissionais por mil habitantes saltou para os atuais 2,8. No Brasil, a proporção é de 1,95.
Mas o feito inglês inclui uma receita que atualmente levanta polêmica entre brasileiros: a importação de médicos.
Atualmente, quase 40% dos quase 235 mil médicos registrados no Reino Unido são estrangeiros. Grande parte deles vem das 20 nações mais pobres do mundo, incluindo a Libéria – que possuiu 0,014 médico por mil moradores – e o Haiti. A Índia é o principal fornecedor para os ingleses, com 25 mil profissionais.
A “importação” de médicos é um fenômeno mundial que se acentuou nos últimos anos, estimulado por programas nacionais para suprir a falta desses profissionais. “O êxodo de médicos dos países pobres para os mais ricos é uma catástrofe para os países mais pobres e também um problema global”, afirma Otmar Kloiber, diretor da Associação Médica Mundial (WMA, sigla em inglês).
Kloiber aponta melhores condições de trabalho e de vida, além de melhores salários, como fatores que levam médicos a imigrar.
Esse déficit atinge diversos países – incluídos os desenvolvidos –, mas são os mais pobres que sofrem com a carência.
Além de formarem pouca mão de obra, as regiões mais carentes ainda perdem médicos para as nações mais ricas.
A África é o continente mais atingido: nessa região estão concentradas mais de 24% da carga global de doenças. Em contrapartida, o continente possuiu apenas 3% dos profissionais de saúde do mundo e menos de 1% dos recursos financeiros mundiais destinados ao setor.
Os Estados Unidos também são um grande importador. A cota de profissionais estrangeiros ultrapassa 25%. Uma grande parte deles vem de países como Índia, Canadá e do México.
O governo americano possui um programa especial para médicos, o Conrad 30, pelo qual esses profissionais recebem um visto de estudante se concordarem trabalhar três anos em uma região mais carente desse tipo de serviço.
A Noruega é outro exemplo de país que atrai mão de obra do mundo menos desenvolvido. Seu programa de importação de médicos é considerado um exemplo.
“Países escandinavos, especialmente a Noruega, têm excelentes programas para atrair médicos estrangeiros. Eles investiram muito no ensino da língua e na integração da família”, diz Kloiber.
 
LINK
 

Receita de bom senso faz bem à saúde

 Feed de Ficha Corrida »

Receita de bom senso faz bem à saúde

Thursday, July 11, 2013, 2:08 pm

BLOGS DE POLÍTICA

JANIO DE FREITAS

De galinhas e medicina

O que deve ir primeiro para o interior do país, o tão invocado equipamento básico ou o médico?

O ovo ou a galinha.

O ovo já é colega íntimo dos médicos em serviços à vida, no seu papel de receptáculo de contaminações nele injetadas para a produção de vacinas. A galinha tem séculos de contribuição aos pacientes, sob a forma daquela santa canja que reanima muito doente, para maior prestígio da medicina. É natural que se juntem para mais um esforço de contribuição ao mais importante dos saberes humanos.

Faz sentido a ponderação dos contrários à contratação de médicos estrangeiros para o interior, por falta, lá, até dos mais simples recursos para atendimento (a ponderação das associações médicas exala odores de motivação real muito diferente). É diante desse argumento que o ovo e a galinha comparecem com a velha indagação de qual deles veio primeiro. Muito sugestiva no caso atual.

O que deve ir primeiro para o interior, o tão invocado equipamento básico ou o médico? Se for o equipamento, além de ficar inútil, não tem, por si só, poder de atrair quem lhe dê uso proveitoso. Jornais e TV têm noticiado casos exemplares de municípios com instalações à espera de médicos, mesmo com remuneração melhor que a ofertada nas capitais.

O médico que é médico quase sempre tem alguma coisa a fazer para atenuar o sofrimento mesmo sem a instrumentação e o remédio adequados. Vemos isso, com frequência, nos acidentes. Eu mesmo já ansiei, na beira de uma estrada, por um médico que parasse ao menos para me dizer como estancar a hemorragia perigosa.

Se primeiro a chegar, o médico, além do efeito de sua simples chegada, e das imediatas orientações sanitárias que pode proporcionar, tem meios de requerer, reclamar, denunciar e acusar publicamente as responsabilidades pelo descaso com os recursos de que precisa. E pode romper, até com apoio judicial, o contrato não cumprido pelo contratante.

O que não faz sentido é estabelecer a priori que no interior não haverá sequer os recursos minimamente necessários. Isto é sacar sobre o futuro. Especialidade de economistas e jornalistas, não de médicos. Por que não experimentar com mil ou dois mil médicos? Se a experiência com metade deles der certo, ou que seja um terço, um quarto, já se terá aprendido muito, mas, sobretudo, quanto alívio terá sido dado, quantas crianças terão deixado de sofrer, se não de morrer?

E, se a carência impeditiva está no interior, os grandes centros urbanos estão equipados para o atendimento à população, mínimo embora? Há três dias noticiava-se que o Hospital do Andaraí, pronto-socorro e referência em queimados no Rio, estava com as cirurgias suspensas por falta até do material mais simplório, como cateter. A desgraçada periferia de São Paulo inclui serviços médicos com o equipamento necessário? As cenas recentes em TV não foram tomadas no Projac.

Essa discussão não é sobre médicos, hospitais, postos de saúde, equipamentos. É sobre doença, sofrimento, partos, mortes, crianças.

Filed under: Médicos Sem FronteiraMédicos sem Vergonha Tagged: Saúde Pública

É este tipo de gente que está saindo das faculdades de medicina?

 OLHOS DO SERTÃO – RSS

É este tipo de gente que está saindo das faculdades de medicina?

Wednesday, July 10, 2013, 2:50 pm

BLOGS DE POLÍTICA

 
 
Esta foto é símbolo da rapaziada que ACORDOU AGORA. O símbolo da falta da incapacidade de processar informação em conhecimento. O símbolo do extremismo e da ignorância. 
 
Poucos sabem que a frase O GIGANTE ACORDOU, também foi gritado em prosa e verso nas marchas que antecederam o golpe de 1964. Infelizmente, em meio a falácia da SOCIEDADE DO CONHECIMENTO, a dificuldade da juventude em processar, contextualizar ou descontextualizar a informação é muito grande. Ademais, a capacidade de manipulação da Rede Globo durante as manifestações foi testada e aprovada. 
 
O conservadorismo tomou conta das ruas e das redes sociais em proporções jamais vistas neste país. E este tipo de gente que está saindo das faculdades, principalmente médicos. 
 
O que resta é pedir a Deus que nos livre deste tipo de médico ou médica em uma mesa de cirurgia. Muitos acharam bonito o cartaz dessa menina, mas muitos esquecem que podem está em mesa de cirurgia com este tipo de pessoa com formação discutível. Leia um texto em que a menina pede para apagar a sua foto em blogs e redes sociais. http://www.dimasroque.com.br/2013/07/a-menina-da-foto.html

A revolta dos aiatolás

 Feed de Ficha Corrida »

A revolta dos aiatolás

Wednesday, July 10, 2013, 9:01 am

BLOGS DE POLÍTICA

VINICIUS TORRES FREIRE

A revolta das elites

Os 10% ‘mais ricos’ do Brasil, ‘classe média’ de verdade, irritam-se mais com os governos do PT

DILMA ROUSSEFF comprou briga com um pedaço grande da elite brasileira, os médicos, suas famílias, simpatizantes e parentes. Ou assim parece provável.

A maioria das associações de médicos está enfurecida com a história do plano de imigração; parte parece irritada com o serviço obrigatório no SUS para recém-graduados. Mas a gente ainda não tem como saber como pensam os 400 mil médicos do país a respeito das medicinas da doutora Dilma.

Preste-se, porém, atenção: trata-se de 400 mil médicos, além de seus próximos. Trata-se de uma elite em termos políticos ou pelo menos associativos; de gente muito mais educada que a média; de gente que, de um modo ou outro, por motivos profissionais, envolve-se em debate ou conversas sobre políticas públicas (saúde).

Trata-se, enfim, de uma elite econômica (que está longe de ser apenas os banqueiros de charuto dos cartuns ou os ricos de novelas, que tomam cafés da manhã com mesas transbordantes e serviçais em volta). O salário médio dos médicos os coloca entre os 2% mais ricos da população.

E daí? Há mais de 190 milhões de pessoas nesta terra. Médicos não farão uma revolução na ruas, armados de bisturis e bombas de gases anestésicos.

E daí, pois? Daí que a “revolta das elites” ganhou mais um empurrãozinho. Apesar do desdém com o conceito de fato precário e mesmo cafona de “formadores de opinião”, muita vez o mal-estar ou tumulto políticos começa, é definido ou redefinido por essa “massa de elite”, que tem mais informação, recursos políticos e informacionais, articulação com poderes públicos e privados etc.

Eram os “mais ricos” os mais insatisfeitos com os governos do PT e de Dilma Rousseff. Nesses anos, a renda média subiu menos e pouco para os 10% “mais ricos” do país. Foi entre eles que baixou primeiro a avaliação da presidente; foi entre eles que o prestígio de Dilma mais se aproximou do chão depois dos protestos de junho.

Nota: mais ricos significa quem ganha mais de dez salários mínimos, uns 2% da população; só em 8% das casas a renda é superior a dez salários. Sim, o Brasil é um lugar pobrinho, feio, sujo e malvado.

Trata-se de palpite, um chute educado, mas quanto da “revolta das elites” se deveu à queda dos seus rendimentos financeiros (“fundos”), dada a queda dos juros?

Quão mais a vida deles piorou devido à alta do preço dos serviços (que consomem mais e determinam o destino social de seus filhos), como escolas caras, saúde privada, moradia (hiperinflacionadas)?

Talvez nem seja sarcástico dizer que muitas dessas pessoas se revoltam porque seus empregados domésticos foram em tese libertados formalmente da servidão, tendo agora direitos trabalhistas como os dos demais brasileiros (sempre em tese, sempre formalmente). A lei dos domésticos não foi coisa de Dilma, mas desse momento um tico mais democrático econômica e socialmente, os anos petistas.

Não, claro, não se está a dizer que médicos ou qualquer outro profissional liberal mais bem pago seja alérgico a processos civilizatórios nem que eles associem suas agruras a melhorias na vida dos mais pobres. Mas que a revolta é e era maior entre as elites, isso é e era.

vinit@uol.com.br

Filed under: Elites LatinasGolpismo Tagged: AiatolásClasse Mérdia

No Reino Unido e na Suécia, médicos precisam servir no setor público

Publicado em09/07/13 22:40 Atualizado em09/07/13 22:40 

 
 

No Reino Unido e na Suécia, médicos precisam servir no setor público

Vivian Oswald e Fernando Eichenberg, Correspondentes – O Globo
Tamanho do texto A A A

LONDRES E PARIS — No Reino Unido e na Suécia, países que teriam inspirado o governo brasileiro, os jovens recém- saídos das universidades de Medicina precisam cumprir um período de treinamento remunerado no setor público antes de receberam licença para exercer a profissão.

Para os britânicos, são obrigatórios dois anos de treinamento em hospitais públicos, após o período da universidade. Os cursos de Medicina no país variam de cinco a seis anos e conferem aos estudantes uma registro provisório, com o qual se inscrevem no chamado “The Foundation Progamme”.

No primeiro ano, o salário-base do jovem médico é de 24 mil libras anuais (quase R$ 80 mil), segundo estatísticas de 2012. A quantia pode variar de acordo com as dificuldades do hospital, do cronograma do profissional e das dificuldades do ofício. Completados os 12 meses iniciais, ele recebe a licença, mas é obrigado a terminar o segundo ano.

— Só então o médico poderá partir para o período de especialização e residência, que pode durar outros cinco anos — explica a assessora da faculdade de Medicina da George’s University of London, Elenor Sheppard.

Na Suécia, o curso dura cinco anos e meio. O programa de treinamento, conhecido por AT, dura pelo menos 18 meses. É cada vez mais frequente terminá-lo em 21 meses, ao final dos quais o profissional é submetido a um exame, sem o qual não pode trabalhar. Após o AT, ele pode escolher sua especialização, que dura, no mínimo, cinco anos.

Na França, a formação pode levar de 9 a 11 anos. O vestibular dá direito a cursar um ano de faculdade de Medicina, num aprendizado mais abrangente em aulas de biologia, bioquímica ou biofísica. Depois, os melhores alunos são admitidos e prosseguem a formação, em seis anos. A partir do terceiro ano, passam a praticar atendimento externo remunerado em hospitais conveniados com as universidades. Com a conclusão do curso, inicia-se um período também remunerado, equivalente à residência no Brasil, que pode durar de três a cinco anos.

 

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/brasil/no-reino-unido-na-suecia-medicos-precisam-servir-no-setor-publico-8979655.html#ixzz2YbaaycIs

Extensão do curso de medicina é polêmica, mas constitucional

 Valor Econômico – Brasil

Extensão do curso de medicina é polêmica, mas constitucional

Tuesday, July 09, 2013, 3:42 am

BRASIL

Segundo advogado especialista em Direito da Saúde Suplementar, o governo tem poder para definir qual será o conteúdo de um curso de medicina