JÂNIO DE FREITAS DESCONFIA DAS PESQUISAS. INCLUSIVE DO DATAFOLHA

JÂNIO DE FREITAS DESCONFIA DAS PESQUISAS. INCLUSIVE DO DATAFOLHA

JÂNIO DE FREITAS

ESQUISITO
 
O recente Ibope reproduz a queda de três pontos percentuais indicada pelo Datafolha no índice de Dilma Rousseff. Inverte, pouco fora da margem de erro, o índice do Datafolha para Aécio Neves, atribuindo-lhe, em vez da perda de um ponto, mais dois. No índice de Eduardo Campos, porém, dá-se o espanto: o índice, além de ser positivo, sobe para o dobro do visto pelo Datafolha. Neste, há queda de Eduardo Campos de 11% para 7%, e no Ibope há subida de 11% para 13%.
Metade das sondagens deu-se nos mesmos dias. A esquisitice não diminui com a explicação de que os métodos de pesquisa são diferentes, porque, diferentes embora, se destinados a captar uma realidade deveriam apresentar, no mínimo, resultados coerentes e próximos.
Há algo, e não mais no velho reino da Dinamarca. Talvez o mesmo que houve na eleição passada.

Aprovação a gestão Dilma sobe e atinge 36%, aponta Datafolha

10/08/2013 09h15 – Atualizado em 10/08/2013 09h22

Aprovação a gestão Dilma sobe e atinge 36%, aponta Datafolha

No levantamento anterior, depois dos protestos, aprovação foi de 30%.
Pesquisa divulgada pelo jornal ‘Folha de S.Paulo’ ouviu 2.615 pessoas.

 

Do G1, em Brasília

 
1 comentário

A aprovação ao governo da presidente Dilma Rousseff subiu seis pontos percentuais e atingiu 36%, segundo pesquisa Datafolha divulgada neste sábado (10) pelo jornal “Folha de S.Paulo”.

O número de eleitores que consideram o governo bom ou ótimo passou de 30% no levantamento anterior, feito no fim de junho e após os protestos que se espalharam pelo país, para 36% no levantamento atual, feito entre os dias 7 e 9 de agosto.

A pesquisa atual foi realizada entre quarta (7) e sexta (9) com 2.615 pessoas, em 160 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Em março, o índice de aprovação do governo atingiu o melhor desempenho, 65%.

No começo de junho, antes dos protestos, a presidente tinha 57%. Em levantamento feito no fim do mesmo mês perdeu mais de trinta pontos percentuais, considerada pelo Dataofolha como a maior queda de popularidade registrada desde o início da gestão Dilma.

A presidente Dilma Rousseff em evento em Varginha/MG nesta quarta-feira (7) (Foto: Roberto Stuckert Filho/Presidência)A presidente Dilma Rousseff em evento em
Varginha (MG) nesta semana (Foto: Roberto
Stuckert Filho / Presidência)

O levantamento realizado nesta semana mostra ainda que o percentual que considera o governo como regular passou de 43% para 42%, dentro da margem de erro. Diminuiu de 30% para 22% o total de pessoas que considerou a gestão como ruim ou péssima.

A nota média data à presidente foi de 6,1. No levantamento anterior havia sido 5,8. Em abril do ano passado, chegou a 7,5.

Regiões, renda e escolaridade
Considerando as regiões do país, a maior recuperação em relação à última pesquisa foi no Norte/Centro Oeste, onde, no levantamento anterior, 29% consideraram o governo ótimo ou bom, e no atual o percentual passou para 40%. A presidente, porém, tinha 58% de aprovação antes dos protestos.

No Sudeste, a aprovação passou de 30% para 32%. No Sul, de 30% para 33%. No Nordeste, de 40% para 43%.

A melhor avaliação registrada no levantamento divulgado neste sábado é entre pessoas que ganham até dois salários mínimos. Nessa faixa, 41% consideram o governo ótimo ou bom. Entre os que ganham mais de 10 salários mínimos, a aprovação é de 29%.

Em relação à escolaridade, 42% dos que têm ensino fundamental aprovam o governo. Entre aqueles com ensino superior, a aprovação é de 28%.