Mais um trecho

Clubin era o fantasma da retidão,  sendo o espectro do crime. Este contra-senso foi o destino dele. Era-lhe preciso mostrar ares apresentáveis,  escumar por baixo do nível,  sorrir em vez de ranger. A virtude,  para ele, era coisa que esmagava. Passou a vida a ter vontade de morder aquela mão que lhe tapava a boca.
E querendo morde-la foi obrigado a beija-la.

Brasil Noticias: Filho de Renato Russo pede que PPS tire do ar paródia que satiriza aliança entre Eduardo Campos e Marina 

http://noticias.r7.com/eleicoes-2014/filho-de-renato-russo-pede-que-pps-tire-do-ar-parodia-que-satiriza-alianca-entre-eduardo-campos-e-marinanbsp-11102013 via “Brasil Noticias” http://play.google.com/store/apps/details?id=com.acerolamob.android.brasilnoticias by @acerolamob

POR QUE DILMA-2014 VAI PERDER A ELEIÇÃO!

POR QUE DILMA-2014 VAI PERDER A ELEIÇÃO!

 
O autor que deu título a postagem abaixo é Cesar Maia, um dos muitos jênios tucademos que existem. Em 2010 ele escreveu artigos, analíses, textos e mais textos afirmando que com certeza absoluta José Serra seria eleito no 1º turno da eleição. Bem…não vou nem comentar. A realidade fala por si. Leiam e divirtam-se com mais um delírio do carioca. kkkkk
 

1. O mensalão-2005 produziu mudanças importantes no PT e em Lula. O partido que vinha sendo dirigido pela esquerda –dita revolucionária- passou a ser dirigido pelos sindicalistas da CUT que, por estarem dentro das multinacionais, são sistêmicos. As medidas adotadas pós-crise de 2008 mostram isso. Lula também mudou. Despiu-se do macacão de líder sindical e colocou o chapéu de palha de migrante nordestino e passou a usar uma comunicação religiosa, com o povo como entidade. O PT eleitoral deixou de ser um partido urbano universitário-sindical e passou a ser o partido do interior pobre, especialmente do Nordeste.

            
2. Qualquer mapa georreferenciado mostra isso. Nem Lula em 2006, nem Dilma na garupa de Lula em 2010, se elegeriam sem o interior pobre somado à periferia social urbana. Mas numa democracia de público, o personagem é decisivo num processo eleitoral. Nesse sentido, ele deve representar, em sua coreografia, o eleitor que dá base à sua vitória.
            
3. Em 2010 Lula foi o candidato disfarçado de Dilma, a ponto de pesquisas identificarem percepções do eleitor que Dilma era a esposa de Lula. A democracia de bens de consumo e o crescimento do PIB pintaram o cenário eleitoral.
            
4. O ponto de inflexão agora é que, depois de 4 anos, Dilma não tem mais como vestir-se de Lula. Sendo ela um quadro político urbano de esquerda, firmou essa imagem, que procura aprofundar. Por isso vende tanto uma postura anti-ianque no episódio da espionagem. Reforça a imagem do ex-PT e do ex-Lula, exatamente onde o PT e Lula não têm mais hegemonia eleitoral. Reforça o passado.
            
5. As pesquisas atuais, uma vez georreferenciadas, mostram que os 35% de Dilma ainda sobrevivem pelas regiões do PT e de Lula pós-mensalão-2005. Mas assim mesmo numa curva declinante. Lula, Lula e Dilma, tiveram no primeiro turno 43% dos votos (2002, 2006, 2010). Esses 35% de intenções de voto um ano antes da eleição, sem que os adversários tenham sua visibilidade, com uma economia trôpega e com uma imagem outra vez urbana serão seu teto numa campanha eleitoral.
            
6. Mas ainda darão para chegar –mancando- no segundo turno. E –uma vez aí- qualquer um dos candidatos que passe para o segundo turno a vencerá, provavelmente com facilidade.  Quem duvidar que teste em pesquisa trabalhando cenários e não o passado.