Se o juiz ganhar todos perdemos

Blog da Milly

Imagino que não exista mais a figura do brasileiro que deixe de achar que o juiz Sergio Moro está à caça de Lula e quer prendê-lo. Há, naturalmente, os que concordam com o juiz porque também detestam Lula e desprezam tudo o que acreditam que Lula tenha feito de mal ao Brasil. A falta de provas não importa mais. Prendam o homem como conseguirem porque temos certeza de que ele é culpado.

Se o caso é esse, como me parece evidente, então estamos todos lascados.

Já não se trata mais de saber se Lula tem culpa, ou quanto de culpa, se trata de preservar algum vestígio de justiça e de moral, e de ter algum respeito à presunção de inocência, um direito de todos nós.

Se aceitamos que o juiz seja parte então haverá quem comemore hoje o fato de um inimigo ser preso esquecendo que amanhã o juiz pode ser…

Ver o post original 506 mais palavras

Moro colocou o povo no banco dos réus | Blog da Cidadania

Hoje, um burguês ignorante das agruras de ser brasileiro imaginará interrogar apenas um homem, mas estará interrogando milhões. Assim será por falta de inteligência para entender que, quando Lula estiver sentado no banco dos réus, estará personificando todo esse povo humilde cotidianamente humilhado por gente como o juiz Sergio Moro.

Fonte: Moro colocou o povo no banco dos réus | Blog da Cidadania

Expresamos nuestro absoluto rechazo democrático a la decisión que permite dejar en libertad o reducir drásticamente las condenas de responsables de crímenes de lesa humanidad, adoptada por la Corte Suprema de Justicia de Argentina, viciada de legitimidad por haberse constituido con miembros propuestos directamente por el Presidente de la Nación, que propugna una política de […]

via MADRID, MAÑANA JUEVES, 11 DE MAYO: CONCENTRACIÓN CONTRA LA AMNISTÍA DE GENOCIDAS EN ARGENTINA — EL BLOG DE CARLOS

Keith Moore “Red” Mitchell Nasceu em Nova York em 20 de setembro de 1927. Mostrou interesse precoce para a música e sobre como ela funciona. Crescer em Nova Jersey, havendo sido encorajado por sua mãe, que amava a natureza e a poesia; e seu pai engenheiro, que amava a música e lhe explicou como as coisas funcionavam. Depois de nove […]

via bluenote# Red Mitchell – Talking — esteriltipo

Durante o tempo que passei no Canadá trabalhei numa empresa que fazia entre outras coisas muitas caixas de madeira para exportação de autopeças. Em uma das instalações dessa empresa, que habitava um antigo aeroporto militar abandonado em Hagersville, Ontario, havia uma fábrica de caixas que recebia de volta caixas retornáveis e reaproveitava ou reciclava esse […]

via Câmera Hagersville — Guilherme Maranhão • Refotografia