O Millenium e a conta de luz do Aécio

O Millenium e a conta de luz do Aécio

9 de Jun de 2013 | 17:49

Todo mundo já está acostumado com os protestos organizados pelo Instituto Millenium, esconderijo da direita mais reacionária, contra os impostos na gasolina.

Os alvos são, sempre, o Governo Federal e a Petrobras.

A Petrobras recebe R$ 1,36 por litro na refinaria e o Governo Federal, como a gente já mostrou aqui, reduziu para 10% do preço de venda a incidência de imposto sobre a gasolina. O resto dos impostos são estaduais.

Mas é curioso que, enquanto se reclama dos encargos setoriais incidentes na conta de luz, não aparece uma alma para criticar as alíquotas dos impostos estaduais que se aplicam ao consumo de energia elétrica.

Estes encargos, agora, representam 3,9% do valor cobrado.

Enquanto o ICMS chega a 30% do valor pago pelo consumidor.

luz

E adivinhe você quem é o estado campeão na cobrança de imposto sobre a conta de energia?

Sim, exatamente Minas Gerais, que tem uma alíquota de 30% incidindo sobre todos os que consomem mais de 90Kwh mensais. Isto é, quase todo mundo que tenha uma geladeira, uma televisão e um chuveiro elétrico, assim mesmo usado com extrema moderação. E mais nada, nem uma lampadazinha.

É só conferir a tabela aí de cima. Quem tiver dúvida, acesse a tabela completa das alíquotas de ICMS, aqui. Está na pagina 18 do documento.

Bem, o Sindicato dos Fiscais mineiro, depois de fazer protestos em praça pública distribuindo lâmpadas econômicas,  começou a veicular uma campanha explicando e condenando as altas alíquotas cobradas delo governo do Estado nos preços, além da energia (30%), na gasolina (27%) e nas contas de telefone (25%).

O que fez o Governo do Estado?

Está tentando proibir, através do Judiciário, a veiculação dos anúncios.

Ah, e não houve aumento das alíquotas depois que Aécio saiu do Governo, não. Passou oito anos lá cobrando 30% dos consumidores.

É assim que ele quer combater a inflação?

Por: Fernando Brito

O jogo da direita em marcha. De novo

O jogo da direita em marcha. De novo

9 de Jun de 2013 | 08:53

Os números que Folha publica neste domingo pode ser considerada o ponto de partida da batalha que vamos enfrentar até as eleições, na qual as pesquisas serão, como de outras vezes, as armas mais terríveis da luta pelo poder.

Como você vê na ilustração, não foi diferente o que tentaram fazer com Lula em março de 2009, mais ou menos o mesmo tempo antes da eleição.

Mas as pesquisas, que são a artilharia, dependem da comunicação para serem abastecidas.

A suposta “queda” da aprovação de Dilma, embora ainda se situe em patamar confortavelmente alto (57%) e bem maior do que o do início do seu governo (47%), seja ela real ou fictícia, tem uma cobertura de legitimidade na preocupação com a inflação.

Preocupação com a inflação não é o mesmo que inflação, mas a percepção que se forma é a de que ela é um perigo não a uma estabilidade econômica teórica, mas ao dia-a-dia das pessoas.

Mas porque o terrorismo inflacionário promovido pela imprensa, que não é novo, pode agora estar sendo aceito como causa para uma mudança na percepção  coletiva de, ao menos, parte da população.

Para especular sobre isso, é conveniente ver quais são os dados novos nesse processo e, sem dúvida, o maior deles é a mudança de atitude do Governo que, pela primeira vez, demonstrou receio de que as previsões do mercado financeiro e da mídia pudessem corresponder – ou se tornarem –  à realidade.

O discurso desenvolvimentista perdeu , dando espaço à cantilena de uma crise que está a léguas de ser real.

Tanto é assim que, em meio a um cenário terrível da economia mundial, o número de pessoas que crê que a situação econômica não vai mudar (39%) ou que vai melhorar (38%) soma quase quatro quintos dos entrevistados.

Não há uma escalada inflacionária, o nível de emprego prossegue alto e, se o governo assumir uma atitude de maior comunicação com a população, sinalizando que não mudou a ideia de fazer do consumo interno a mola do crescimento econômico, essa impressão forjada pela mídia se dissipará.

Resta ver se haverá a coragem que Lula teve de, contra a posição do Banco Central, dizer claramente: confiem, comprem, o país crescerá.

No que diz respeito ao quadro eleitoral, a situação de Dilma permanece sem alterações significativas. Ela aparece com patamar muito semelhante ao que teria  Lula se fosse candidato (51% e 55%, respectivamente). Considerando que há 8% que não respondem ou dizem votar nulo ou branco, os 51% equivalem a 55,4%.

Aécio, mesmo com a superexposição na mídia e o programa de TV do PSDB, ainda fica atrás de Marina (16 a 14%). Mas é curioso como Marina aparece apenas com 1% quando a declaração de voto é espontânea. É sinal de pouca solidez.

Sinal contrário do que apresenta a dupla Dilma/Lula, que tem um terço das menções espontâneas.

Em resumo, a pesquisa só serve para estimular o discurso que a mídia assumirá esta semana, o de que “Dilma está caindo”.

Que precisa de uma resposta forte do Governo para que o desejo da direita não saia dos jornais para as ruas.

Por: Fernando Brito

DO BLOG DO CARLOS MOTTA – EXCELENTE ARTIGO!

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Jornais e jornalistas, de mal a pior

 

Nunca vi, em mais de 40 anos de profissão, a imprensa brasileira passar por um momento tão ruim como este, com consequências catastróficas para os jornalistas – e para a própria democracia.
As redações da chamada grande imprensa estão minguando, o passaralho não perdoou nenhuma delas.
O encolhimento implica mais trabalho para quem não foi demitido e piora na qualidade do produto final – que já não é lá essas coisas.

Uma reflexão rápida aponta duas causas para esse desastre:
1) A imprensa deixou de fazer jornalismo e se converteu num partido político de oposição ao PT e seus aliados. Virar as costas para a realidade do país, transformar seus produtos em panfletos políticos ultraconservadores, tem sido péssimo negócio para as empresas de comunicação, que, paradoxalmente, são ajudadas pelo próprio governo que tanto odeiam com gordas verbas publicitárias.
2) A internet já não é mais o futuro, é o presente, é a plataforma que substitui o papel como suporte para as notícias. As publicações impressas vão desaparecer em pouco tempo – a geração atual praticamente nunca manuseou um jornal ou uma revista, mas domina todas as funções de um smartphone, de um tablet ou de um notebook. As empresas não conseguem migrar do papel para a internet, uma operação absolutamente lógica se vivessem no mundo real e não naquele de ilusão que criaram.
Mas se os jornais têm uma grande parcela de culpa nessa derrocada de seus produtos, cabe aos jornalistas uma autocrítica à sua atuação nesses últimos anos – a categoria, que sempre carregou fortes traços de personalidade pequeno burguesa, hoje é uma entidade inteiramente prostrada, castrada, sem culhões para absolutamente nada a não ser o mais extremado individualismo.
Os passaralhos certamente seriam menos intensos se os jornalistas alguma vez esboçassem algum tipo de reação a eles que não fosse se queixar do patrão no cafezinho, lamentar o emprego perdido pelo colega, e, por dentro, se sentir muito aliviado por não ter entrado na lista de cortes – mesmo que isso resulte numa jornada ainda mais fatigante e numa vida muito mais miserável.

 

ALCKMIN TRANSFORMA SÃO PAULO NA CAPITAL DO CRIME

Alckmin transforma São Paulo na capital do crime

 
 

revista IstoÉ desta semana traz matéria de capa contundente sobre a péssima política de segurança pública feita em 18 anos de governo tucano no estado de São Paulo, hoje comandada por Geraldo Alckmin (PSDB).

 
A revista mostra que os governos tucanos sucatearam a Polícia Civil. Déficit de policiais e péssimos salários tiraram recursos que tornaram a polícia incapaz de elucidar o grande volume de crimes, criando a sensação de que o crime compensa em São Paulo.
 
Eis os principais trechos:
 
 
O governo paulista dispõe do segundo maior orçamento do País e emprega um contingente policial numericamente superior ao de muitos países latino americanos. São cerca de 120 mil policiais civis e militares. Bem usada, seria uma garantia de paz à população da cidade. Mas, apesar de tantos dados superlativos, São Paulo está de joelhos diante da criminalidade.
(…)
Na sexta maior cidade do mundo, o crime foi banalizado. A vida foi banalizada. Amparados na ausência de uma política de segurança pública, na omissão das autoridades constituídas e na inépcia de policiais – muitos ligados às bandas podres da instituição e outros desmotivados e até cerceados para o exercício de suas atividades –, os bandidos não escolhem hora e nem lugar para agir. 
(…)

Nem mesmo as câmeras espalhadas pela metrópole impedem uma matança que não escolhe alvos. Ao contrário, o que elas registram são imagens muito fortes de mortes cruéis, com impacto devastador e revoltante sobre quem as assiste. (…) A certeza da impunidade produto da letargia da polícia e da Justiça dão ânimo à crescente ousadia dos marginais.
(…)
A escalada de latrocínios – roubos seguidos de mortes – que aterroriza os paulistanos além de revelar a falência de um modelo de segurança pública que há duas décadas se instalou no Estado, também desafia os acadêmicos. … afirma o sociólogo Benedito Domingos Mariano, ex-ouvidor da Secretaria de Segurança de São Paulo. “Mas hoje essas causas não podem ser usadas como justificativa para escamotear as deficiências estruturais das polícias na atribuição de garantir a segurança pública”.
(…)
Segundo uma pesquisa do Instituto Datafolha, a maior preocupação de 42% dos moradores da capital é ter a casa invadida ou sofrer um assalto na rua.
(…)
Na prática, enquanto a bandidagem circula tranqüila, os cidadãos sentem-se aprisionados. Mas o que fez com que São Paulo chegasse a esse estado de barbárie? Segundo especialistas, nos últimos 20 anos o Estado não formulou uma política de segurança de médio e longo prazo. Apenas trabalhou com a questão da violência policial, alternando momentos de uma polícia matadora com momentos de uma polícia mais contida. Com essa fórmula, acabou não conseguindo punir efetivamente os maus policiais e os bons se sentem amarrados, na medida em que são obrigados a até contar e explicar cada tiro disparado. O problema é que para enfrentar o crime não precisamos necessariamente de uma polícia arbitrária. Precisamos, sim, de uma polícia eficiente.
(…)
O latrocínio talvez seja o crime que mais assusta a população porque parece imprevisível. Ele começa com um assalto e termina em assassinato. (…) em São Paulo, este ano, o aumento de 64% nas estatísticas desse tipo de crime é, além de intimidador para as pessoas, revelador da inação oficial. 
(…) 
Para Guaracy Mingardi, especialista em segurança pública da Fundação Getúlio Vargas, matar não é a finalidade do ladrão. (…) “Só conseguiremos diminuir o número de crimes violentos quando provarmos que não dá certo, que a possibilidade de ele ser preso é maior se ele matar. O problema é que a investigação, por regra, não é feita”, diz. A especialista em criminologia Ilana Casoy acredita que esse tipo de comportamento dos marginais pode ser explicado, em parte, pelo fato de que, no Brasil, o risco de roubar compensa. “Apenas 2,5% dos roubos são resolvidos. Nenhum outro negócio tem tal índice de sucesso. No caso de mortes, a chances de encontrar o autor são de 6%. Na Inglaterra são de 90%.” Para ela (…) é preciso investir em infraestrutura de investigação e inteligência, aspecto negligenciado pela Secretaria de Segurança Pública.
(…)
A ousadia dos bandidos caminha na direção oposta à competência da polícia. Numa demonstração de que não temem o efetivo policial, eles chegam a cometer assaltos nos mesmos lugares por dias consecutivos sem serem incomodados.
(…)
A ousadia dos bandidos caminha na direção oposta à competência da polícia. Numa demonstração de que não temem o efetivo policial, eles chegam a cometer assaltos nos mesmos lugares por dias consecutivos sem serem incomodados. (…) Há mais duas décadas, é sabido que nas cercanias da PUC, o número de carros roubados é enorme. Continua assim. E, isso traz aos marginais a certeza da impunidade. Em 14 de maio, em frente à universidade, o estudante Bruno Pedroso Ribeiro, de 23 anos, foi alvejado no pescoço depois de dar o celular ao seu algoz.
(…)
Só em 2012 foram registrados mais de 125 mil roubos na região metropolitana de São Paulo. Mas, apesar de toda a crueldade, não existe crime, organizado ou não, que resiste a uma política de segurança inteligente.
(…)
Cobrado por medidas mais efetivas, o governador paulista lançou há três semanas seu terceiro pacote de segurança em três anos. Alckmin anunciou a intenção de dar bônus a policiais que cumprirem metas de redução de criminalidade em suas regiões, entre outras medidas, como a ampliação do efetivo, o que depende de concurso público. Segundo George Melão, presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo, no entanto, o governo terá de sentar à mesa e negociar se quiser avançar. “Calculamos que, para atender a demanda de investigação dos dias de hoje, precisamos entre 12 mil e 15 mil novos policiais civis”, diz. Ele também aponta a necessidade de melhorar a remuneração do policial no Estado, que é de R$ 2,5 mil em média, assim como a dos delegados, de R$ 7,2 mil. “O salário dos delegados em São Paulo é o pior entre todos os Estados da federação e, mesmo assim, o governo não se mostra disposto a negociar”, diz.

SP TEM MÉDIA DE 3 PRISÕES A CADA 100 CRIMES VIOLENTOS

SP TEM MÉDIA DE 3 PRISÕES A CADA 100 CRIMES VIOLENTOS

:

 

Levantamento da Secretaria de Segurança Pública (SSP) aponta que distritos policiais de bairros nobres, como Morumbi (34.º DP) e Jardins (78.º DP), estão na lista das que menos prendem; Entre as 38 delegacias que prendem acima da média, o líder é o do Bom Retiro (2.º DP), com índice de 13 prisões para cada 100 delitos graves, como homicídio, estupro, roubo e roubo de veículos

 

10 DE JUNHO DE 2013 ÀS 05:38

 

247 – Dados inéditos da Secretaria de Segurança Pública (SSP) apontam que, os 93 distritos policiais de São Paulo registraram nos primeiros quatro meses deste ano 55,3 mil crimes violentos. Mas apenas 1,7 mil prisões com mandados judiciais foram feitas por essas delegacias após investigações – uma média de 3 detenções a cada 100 delitos graves.

Quatro tipos de crime foram considerados violentos para efeito de cálculo: homicídio, estupro, roubo e roubo de veículos.

Delegacias de bairros nobres, como Morumbi (34.º DP) e Jardins (78.º DP), estão na lista das que menos prendem. Distrito com o maior número de crimes violentos neste ano, o Capão Redondo (47.º DP) efetuou apenas 29 prisões desde janeiro, enquanto 1.512 casos graves foram registrados.

Entre os 38 distritos que prendem acima da média, o líder é o do Bom Retiro (2.º DP), com índice de 13 prisões para cada 100 delitos violentos registrados.